Postagens

Mostrando postagens de Março, 2020

TUDO QUE É FLÁCIDO SE DESMANCHA NO RISO

Os inteligentes, inteligentinhos e inteligentões dizem por aí que as novas tecnologias tornaram o mundo menor, bem menorzinho, cabendo literalmente na palma da nossa mão, reduzindo as distâncias a uma ou duas deslizadas de dedos sob uma tela bem lisinha, seguidas de um ou dois toques com o dedo polegar e pronto: estamos em contato com alguém, ou nos tornando cientes de algo que aconteceu em algum lugar, cuja existência até então ignorávamos por completo.
Bem, ao menos é isso, mais ou menos isso, o que dizem os doutos e similares.
De minha parte, “sacumé”, não é bem assim que vejo a parada.
Não há dúvida alguma que as distâncias, de certa forma, se tornaram relativas após o surgimento e disseminação das novas tecnologias em comunicação, porém, as fronteiras que estabelecemos em torno de nós mesmos, ao que parece, se tornaram mais tacanhas do que nunca, reduzindo a área do charco de nosso pobre coração a um tamanho praticamente infinitesimal, não cabendo nele nada que esteja além do nosso …

PONTOS E BORDADOS

A ordem social equilibra-se sob uma delicada coluna. Se ela ruir, as bestas que habitam nosso íntimo irão mostrar suas presas e garras sem o menor pudor. Para que isso ocorra, basta que o medo seja cevado, diariamente, com o ancinho da histeria calculada no coração das pessoas e, em pouquíssimo tempo, teremos a derrocada da ordem da vida e a ruína da nossa alma.
[i] Em momentos como esse, onde a regra mor é gerada por informações truncadas em misto com um punhado de boas e más intenções, lembro-me com clareza cristalina das palavras do meu velho professor de estatística que, no começo dos anos noventa, semanalmente nos dizia, ao fim de cada aula: "lembrem-se tigrada! A estatística é a prostituta da matemática. Com ela você é capaz de demonstrar qualquer absurdidade como se fosse a coisa mais razoável do mundo". Pois é. Ele estava certíssimo. Que senhora quenga é essa tal da estatística.
[ii] Viver um dia de cada vez. Faz um bom tempo, muito tempo, que adoto essa orientação para …

MALANDRO QUE É MALANDRO NÃO BOBEIA

Como dizia seu Tibúrcio, imaginar que estamos acima de qualquer possibilidade de sermos feitos de otário é a receita mais do que certa de que seremos, de fato, feitos de bobo. Não tem erro. É batata.
E não apenas isso. O caboclo quando acredita-se muito esperto ou, como se diz nos círculos “mais esclarecidos”, quando o cidadão está convencido de que é um sujeito muitíssimo crítico, mais do crítico, criticamente crítico, ele acaba sentindo uma vergonha danada de ter sido feito de trouxa e aí, pra não dar na pinta, ele procura inventar justificativas mil para tentar, na medida do possível, convencer aos outros e, principalmente, a si mesmo, de que ele não foi tapeado, assim, de forma tão espetacular.
O homem comum, por sua deixa, quando passa por uma situação dessa, das duas uma: ou ele fica puto da vida e sai cuspindo marimbondo, ou ri pra caramba de si mesmo. Dum jeito ou de outro, ele não apenas sabe que foi enganado, ele admite isso com humildade e sem afetação.
Já o sujeito que acredi…

ENTRE QUATRO PAREDES

No mundo atual, nos são oferecidas algemas mil como se essas fossem asas que, supostamente, nos auxiliariam para nos tornarmos livres feio um majestoso sabiá.
Nas cátedras, shoppings, tribunas, palanques, púlpitos, redes sociais, em todos os cantos e lugares lá temos a presença de toda ordem de doutos larápios e de falsos profetas nos oferecendo a mais vil forma de escravidão como se a dita cuja fosse a mais sublime expressão de liberdade.
Pior! Não são poucos os que acreditam nessa patacoada e acabam por cair nessa infame arapuca de ilusões.
[i]
Uma vez ou outra um idiota pode acabar dizendo algo inteligente aqui ou acolá e, de vez em quando, um sábio pode falar uma e outra estupidez ali ou mais adiante.
Bem, frente a essa obviedade ululante, cabe a cada um de nós saber discernir e ficar com aquilo que é bom e aprender com o que é torto, pouco importando se isso tenha vindo da preleção de um sábio ou do boquejar dum tonto.
Saber fazer isso não é o suprassumo da sabedoria. De jeito maneira.…

SILENCIAR É PRECISO

Calar, muitas vezes, acaba sendo o melhor remédio que há. Na grande maioria das vezes, para ser franco.
Existem inúmeras razões para isso, principalmente numa era em que falar tornou-se algo tão fácil e, por sua deixa, parar para ouvir, pra prestar atenção no outro, algo tão difícil.
Nisso, penso eu, por si só já é um forte motivo para reduzirmos nosso ímpeto de parlar pelos cotovelos.
E o mais curioso nisso é que para podermos falar bem, seria preciso que, amorosamente, nos dispuséssemos a ouvir bem.
Tendo a ter a impressão - e por ser uma mera impressão posso estar redondamente errado – de que no mundo contemporâneo, realmente, desaprendemos a ouvir atentamente e, é claro, a refletir sobre aquilo que foi ouvido [levianamente por nós].
Para fazermos isso, ouvir atentamente e refletir devidamente, precisaríamos dedicar algum tempo a algo que não fosse apenas um reflexo pálido de nós mesmos; seria preciso nos interessar sinceramente ao que está sendo comunicado a nós por alguém bem diferent…

REFLEXÕES TIRADAS DUMA CUIA DE MATE

Uma coisa é nutrir uma paixão, desmedida e idolátrica, por um ponto de vista umbilicalmente concebido por nós; outra, bem diferente, é dedicar-se amorosamente a lapidar nossa maneira de ver a realidade.
[i] Entre a histeria de uns e o indiferentismo de outros há um trem fuçado chamado realidade. Lembre-se disso.
[ii] O medo é, e sempre será, um péssimo conselheiro; o pânico sempre foi e continuará sendo uma má companhia; e a indiferença cínica, em qualquer época e circunstância, sempre será uma senhora tolice.
[iii] Aparência de poder é um instrumento extremamente eficaz para exercer o domínio, porque o poder aparente e capaz de fragmentar o ânimo dos audazes despreparados e desfibrar as almas desarmadas. Por essas e outras que os demônios, junto com suas hostes infernais e similares, adoram, amam de paixão, que lhes atribuam mais poderes do que eles realmente têm.
[iv] Quando nos prostramos diante da eternidade, compreendemos com clareza que todos os perrengues, que muitas vezes nos inquieta…

CONVERSA DA GROTA - 16, 17 e 18 de março de 2020.

Imagem
CONVERSA DA GROTA é uma preleção radiofônica que vai ao ar às 19h00 todas as segundas, terças e quartas-feiras pelas ondas da rádio Iguaçu FM.
As três alocuções que seguem foram proferidas na Iguaçu FM nos dias 16, 17 e 18 de março de 2020.

(16-03-2020) CONVERSA DA GROTA - LIBERDADE DE CALAR

(17-03-2020) CONVERSA DA GROTA - LIBERTINAGEM DE OPINIÃO

(18-03-2020) CONVERSA DA GROTA - AGRADECER É PRECISO

UM SORRISO PRA LÁ DE AMARELADO

Uma camada significativa da sociedade, particularmente a que se considera a mais esclarecida, encontra-se meio que adoentada; e não é porque tenha sido infectada pelo tal do corona. A alma de muitos está enferma e padece, cronicamente, duma severa perda do tal senso das proporções.
Aliás, quem nunca teve uma recaída aqui e um deslize acolá, no que tange a falta de noção que atire a primeira pedra.
Pois bem, sigamos com o causo: um dos primeiros sintomas disso, da perda do senso das proporções, é a facilidade com que muitas vezes mergulhamos de cabeça num clima de histeria, passando a crer não tanto no que a realidade, nua e crua, nos mostra, mas sim, apenas naquilo que nossos ouvidos moucos ouvem. Aí, num processo mágico, passamos, literalmente, num lance auto hipnótico, a enxergar justamente aquilo que lhe é sussurrado em seus ouvidos.
Um bom exemplo disso é vermos algumas pessoas rotulando gracejos, piadas e similares como se esses trens fossem a expressão cristalina daquilo que elas, …

REFLEXÕES COM CHIMARRÃO

Se eu fosse um artista e me pedissem para esculpir uma estátua para representar a figura dum pensador, sem dúvida alguma essa seria a escultura dum sexagenário sentado numa caixa de lenha, bem do ladinho dum fogão, calçando paragatas e de pernas cruzadas com uma cuia de mate nas mãos, chimarreando, com um olhar ao mesmo tempo sereno e distante. Seria assim. E, imagino eu, que ele estaria matutando a respeito de entreveros mil, matutadas essas que seriam semelhantes as que seguem escrevinhadas abaixo: [ii]
Dum modo geral os governantes compreendem melhor as razões que movem as multidões do que o próprio povo. Doutra parte, também seria verdade dizer que muitas vezes o povo conhece melhor as motivações subjacentes aos atos dos governantes e dos líderes políticos do que eles próprios. Entre essas duas ignorâncias é que reside toda a trama que dá forma as tragédias e comédias nossas de cada dia.
[iii]
Os aplausos das multidões e bem como as honrarias desse mundo não valem um peido. Ambas tent…

PEDRAS, PEDRINHAS E PEDREGULHOS

Dizem por esse mundão de meu Deus que nós, brasileiros, gostamos muito de papagaiar. Não sei se isso é uma caricatura de nossa figura ou não e, pra ser bem sincero, não esquento a moringa com isso não.
O que considero realmente importante é saber se o que estamos parlando aqui e acolá é expressão do nosso esforço sincero para conhecer a realidade ou apenas uma reles opinião.
Podemos caracterizar uma opinião, e apontar em que ela se diferencia do dito cujo do conhecimento, de inúmeras formas. A que considero mais interessante e profícua é a que nos é apresentada por José Ortega y Gasset, quando esse nos diz que a opinião seria um estranho que nos habita [1]. Francamente, não conheço analogia melhor que essa. Mesmo assim, falemos mais um pouco a respeito desse ponto.
Uma opinião, como todos nós sabemos, seria simplesmente um saber superficial sobre algo. Tal superficialidade, em muito se deve ao fato de que nós, muitas vezes, nos contentamos tão somente com uma impressão vaga sobre certos …

CONVERSA DA GROTA - 09, 10 e 11 de março de 2020.

Imagem
CONVERSA DA GROTA é uma preleção radiofônica que vai ao ar às 19h00 todas as segundas, terças e quartas-feiras pelas ondas da rádio Iguaçu FM.
As três alocuções que seguem foram proferidas na Iguaçu FM nos dias 09, 10 e 11 de março de 2020.

(09-03-2020) CONVERSA DA GROTA - A INFÂMIA VESTIDA DE CARIDADE

(10-03-2020) CONVERSA DA GROTA - A INFÂMIA VESTIDA DE CARIDADE - parte II

(11-03-2020) CONVERSA DA GROTA - VIVER É CONSAGRAR

O MAU USO DE CERTAS FERRAMENTAS

Há uma velha e divertidíssima crônica de Millôr Fernandes intitulada “O direito ao phoda-se”. Quer dizer, penso que esse é o título da dita cuja, se minha memória, essa safadinha, não está me traindo mais uma vez com as minhas lembranças.
Seja como for, o teor da referida crônica está contido no seu título, esteja esse preciso ou não, de acordo com minhas recordações.
Todo mundo, segundo o divertidíssimo autor, tem o sacrossanto direito de mantar tudo as favar, porque isso seria algum muito bom, capaz, inclusive, de salvar uma alma; e de fato é, tendo em vista que esse negócio de ficar guardando rancor e ressentimento é um trem ruim pra caramba.
Guardar rancor, meu chapa, faz mal pra saúde, para o coração e, principalmente, perverte a alma da gente [1]. O negócio mesmo é espalhar o rancor para todos os lados, pra ver se ele desidrata e morre seco sob o calor do sol e, tudo isso, junto com uns pares de arrodeios de boas risadas.
E verdade seja dita: nada que não preste resiste a isso.
Por i…

CONVERSA DA GROTA - 02, 03 e 04 de março de 2020.

Imagem
CONVERSA DA GROTA é uma preleção radiofônica que vai ao ar às 19h00 todas as segundas, terças e quartas-feiras pelas ondas da rádio Iguaçu FM.
As três alocuções que seguem foram proferidas na Iguaçu FM nos dias 02, 03 e 04 de março de 2020.

CONVERSA DA GROTA - SOBRE A ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO - PARTE X




CONVERSA DA GROTA - SOBRE A ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO - PARTE XI



CONVERSA DA GROTA - SOBRE A ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO - PARTE XII






A LUZ DA VIRTUDE DESDENHADA

É humilhante quando alguém aponta um erro cometido por nós. Pouco importa se é um gesto delicado ou abrupto, quando somos chamados para depor diante do tribunal da nossa consciência, para darmos testemunho de nosso equívoco, dá vontade de cavar um buraco e se enfiar dentro dele e nunca mais sair, não é mesmo? E que bom que é assim, pois a vergonha causada frente ao erro cometido faz-nos lembrar - para sempre - do acerto que escapou por entre nossos dedos. Agora, se a vergonha não mais encontra abrigo em nossas ventas, é porque há algo de muito errado em nosso coração.
Sermos capazes de sentir vergonha faz um bem “danado” para alma, mas não apenas pra ela; envergonhar-se é fundamental para o aprimoramento de nossa capacidade de compreensão, porque, admitamos ou não, o desenvolvimento de nossa inteligência depende do cultivo de certos elementos morais e éticos que, se não se fizerem presentes no âmago do nosso coração, ao invés de termos a ampliação do raio de ação de nosso entendimento,…

O DOM DOS DONS

Cada um sabe onde o seu sapato aperta e, diante do aperto dos nossos calos de cada dia, uns clamam aos céus por justiça, outros por misericórdia.
Os primeiros não sabem direito o que estão pedindo e, os segundos, não tem uma clara nação do que estão querendo.
Eita! Agora sim que melou todo o meio de campo.
Explico-me: os primeiros quando pendem por justiça esquecem-se que essa virtude cardinal [1] corresponde a aplicação do devido senso das proporções que, inevitavelmente, termina atribuindo a cada um aquilo que lhe é devido, inclusive e principalmente para nós mesmos meu irmão. Trocando em dorso (ou em qualquer outro miúdo de sua predileção), você realmente parou pra considerar o que, de fato, lhe é devido?
De mais a mais, até onde sei, o justo, no sentido bíblico da bagaça (Provérbios XXIV; 16), peca sete vezes ao dia e, nossas pessoinhas estão mui distantes de serem justas nesse sentido, não é mesmo?
Se Deus fosse aplicar a Sua justiça, aí meu amigo que o mundo acabaria de vereda [2].
Si…