Postagens

Mostrando postagens de Março, 2013

O SILENCIADO GRITO DOS INOCENTES

A (IM)PIEDADE DOS GESTOS

Escrevinhação n. 996, redigida em 25 de março de 2013, dia de Santo Irêneo de Sírmium, de São Dimas e da Solenidade da Anunciação do Anjo à Virgem Maria.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Ao deitarmos nossas vistas nas helênicas linhas de “As Leis”, de Platão, nos deparamos com um homem profunda e sinceramente preocupado com a formação das almas infantes. O discípulo de Sócrates afirma que deveríamos ser treinados desde a infância na virtude, o que tornaria o indivíduo desejoso da perfeição. E conclui afirmando que seria vulgar e servil chamar de educação uma formação que desleixasse deste intento. Ora, uma formação que vise somente à aquisição de regalos materiais e financeiros, que vise apenas o vigor e a formosura física ou simplesmente alguma habilidade mental despida de sabedoria seria indigna de receber a alcunha de educação.
Sabedoria não é algo que se ministra com uma lição recortada numa disciplina escolar, ou dissolvida na forma dum eixo temático a ser trabalhado como uma reles …

SEU NOME É FRANCISCO

Escrevinhação n. 995, redigida em 18 de março de 2013, dia de São Cirilo de Jerusalém.
Por Dartagnan da Silva Zanela
As portas do inferno não prevalecerão (Matheus XVI; 18). Para todo aquele que confessa a Fé com o coração na mão, essas palavras são de uma clara significação. As crises vêm e vão, os céus também, mas Ele permanece.
Infelizmente, muitos que publicamente confessam a Fé na Igreja ouvem essas palavras com a mesma leviandade que assistem a um telejornal. Não são poucos os catolicãos que, a muito, falava Agripino Grieco. Católicos que ao morrer, chegando ao céu tem a enorme surpresa de verificar que Deus existe mesmo.
Ora, é mais que compreensível que um não-católico não leve com a necessária seriedade os ensinamentos daquela que é Mãe e Mestra. Entretanto, é motivo de escândalo uma pessoa que se declara católica e vive numa inconfessa apostasia chegando, literalmente, a cingir sua vida pela trilha de valores diametralmente opostos aos ensinamentos de Nosso Senhor, desprezand…

As três lições de Deus para este Conclave

Fonte: Site do Padre Paulo Ricardo

A Basílica de São Pedro deu espaço mais uma vez à procissão vermelha dos príncipes da Igreja. A cor recorda o sangue dos mártires, sobretudo de Pedro, de quem se escolherá o sucessor, neste momento grave para história dos cristãos. A fumaça branca, que anuncia a escolha do novo papa, pode sair a qualquer momento. A hora, no entanto, ainda é um mistério. E é assim que deve ser, como tudo aquilo que pertence aos desígnios de Deus. Apesar das quedas de seus membros e dos muitos escândalos que são repetidos a todo instante, é Cristo, o Supremo Pastor, quem governa a sua Igreja, e não a vontade daqueles que a compõem.

Os meios de comunicação, entretanto, insistem no contrário. Por isso, não é surpreendente ler matérias que tragam especulações maledicentes sobre o Conclave. Para uma imprensa sem visão espiritual, a escolha de um Papa não passa de uma disputa de poder. Eles medem a Igreja pela própria régua. E é assim que os jornais não têm o mínimo pudor …

NA ENCRUZILHADA DO DESTINO

Escrevinhação n. 995, redigida em 11 de março de 2013, dia de Santo Eulógio.
Por Dartagnan da Silva Zanela
Monteiro Lobato, quando estava no interior, imerso em bucólicos ares, afirmava que lia compulsivamente só por birra, de modo similar a um bêbado em encharca as vísceras para distanciar-se da mesquinhez que o circundava. Embebia sua alma com o licor das letras todo santo dia. Destilava incansavelmente o melaço de sua escrita em um ritmo todo seu de aprimorar-se.
Muitos, como o pai do Sítio do pica-pau amarelo, preferem o silêncio de um retiro do mundo nele estando, para cultivar amorosamente a cultura, a terceira natureza humana. Através dela, da cultura, vemos os vários reflexos de nós nas faces dos muitos “eu” possíveis que se apresentam mediante nossas escolhas tão livres quanto graciosas. Nesta gratuidade de nosso devir pagamos por todas nossas escolhas.
Doravante, como nos lembra Alceu Amoroso Lima (o Tristão de Athayde), a cultura revela três atitudes fundamentais ao homem: a…

Bigelow na linha de sombra

Por Luiz Felipe Pondé
Vejo você escrevendo em seu gabinete. Você mora num bairro de classe média alta de São Paulo.
Pessoa sofisticada, você tem aquele sentimento que os outros são menos inteligentes do que você, sem deixar ninguém perceber porque está treinado a fingir modéstia.
Agora, imagine que você toma vinho, dá aulas e vê o olhar apaixonado das alunas brilhando ou o olhar convertido dos alunos acreditando piamente nos absurdos que você fala.
Mas você fala apenas absurdos simpáticos à sua própria vaidade ou à vaidade de quem ouve você. Quando ouvimos você falar ou lemos o que você escreve, temos certeza de que você é "ético".
A razão para existir esses intelectuais "para um mundo melhor" é fazer o mundo servir à vaidade deles e de quem se acha tão "ético" quanto eles.
A ética é a baixa escolástica contemporânea: todo mundo fala, mas todos sabem que é "papo furado". Dizer-se ético é "self-marketing".
Você viaja a Paris ou a desti…

A farsa sobre Abraham Lincoln

Por Walter Williams
O filme Lincoln, de Steven Spielberg, vem sendo um grande sucesso de bilheteria e ganhou doze indicações para o Oscar, inclusive de melhor filme, melhor diretor e melhor ator para Daniel Day-Lewis, que fez o papel do 16º presidente americano.  Como não vi o filme, este artigo não será sobre ele, mas sim sobre o homem que é até hoje endeusado por muitos.
Meu colega Thomas DiLorenzo, professor de economia da Loyola University de Maryland, já expôs vários mitos a respeito de Lincoln em seu livro de 2006, Lincoln Unmasked.  Agora ele acaba de receber o reforço de Joseph Fallon, analista de inteligência cultural e ex-instrutor do Centro de Inteligência do Exército dos EUA, com seu novo e-book, Lincoln Uncensored.  O livro de Fallon examina 10 volumes compilados de discursos e escritos de Lincoln, os quais incluem passagens sobre escravidão, secessão, igualdade para os negros e emancipação.  Não é necessário se basear na interpretação de ninguém.  Apenas leia as palavra…

Revolução Russa e liberdade de expressão (Rodrigo Gurgel)

Imagem

A FIGUEIRA DE PÚTRIDOS FRUTOS

Escrevinhação n. 994, redigida em 04 de março de 2013, dia de São Casimiro.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Lembra-nos Hayek que a humanidade foi civilizada a muito contra gosto. De fato, se formos capazes de fazer um sincero exame de consciência, com candura reconheceremos que as lições mais importantes que nos eram ministradas foram aprendidas em meio a muitos beicinhos.
De todas, aprender a responder por seus atos e pensamentos, pelas conseqüências advindas destes, é uma das lições que cada um de nós mais resistiu em assimilar. Alguns se recusam a isso a vida toda e outros, transformam o esquivar desta num estilo de vida. Tudo isso junto e misturado seria a cultura do “não fui eu”, como nos adverte Olavo de Carvalho que, infelizmente, é a pedra angular da sociedade brasileira atual.
Ora, a cultura da escusa é a cultura da condescendência. Tudo deve ser reconhecido como aceitável para que os brios infantilizados do cidadão não sejam vilipendiados em seu direito de não responder por seu…

O futuro traidor

Por João Pereira Coutinho
Anos atrás, quando Ingrid Betancourt foi resgatada da selva colombiana, o Partido Comunista Português recusou-se a saudar o feito. Motivo?
A sra. Betancourt tinha sido salva pelo presidente Álvaro Uribe das mãos das FARC. E entre Uribe e o "comandante" Enrique, os comunistas lusos não escondiam as suas simpatias.
Na altura, no jornal "Expresso", ainda perguntei aos camaradas se a sra. Betancourt deveria ser jogada de volta à selva. Sobretudo se se provasse que o resgate tinha sido feito com o intolerável apoio americano. O PCP, essa deliciosa relíquia stalinista que persiste na Europa Ocidental, não chegou a responder.
Felizmente, vejo com bons olhos que Portugal não é caso único em matéria de atraso político e até intelectual. Era Eça de Queirós quem dizia, com piada, que os brasileiros eram portugueses inchados pelo calor. O que significa que os vícios portugueses, no Brasil, também incham com a temperatura.
Assim foi com a blogueira cu…

O futuro em boas mãos

Por João Ubaldo Ribeiro
Como estamos vendo nos noticiários, a campanha eleitoral já começou. Acho um pouco cedo, mas o pessoal fica nervoso com a disputa e a ansiedade parece ser geral. A política, o governo e a administração do Estado são das mais nobres atividades a que o cidadão pode entregar-se, pois se trata de um admirável exercício de altruísmo, amor à coletividade e ao semelhante, de nobre renúncia a interesses subalternos e vantagens indevidas e até mesmo a projetos pessoais. O homem público epitoma a virtude, não no sentido piegas que estamos acostumados a associar a esta palavra, mas na ]dedicação resoluta e firme ao bem público e às aspirações e direitos dos governados, numa vida cuja maior recompensa será o zeloso cumprimento dessa missão e nada mais. E o Brasil está coalhado de gente disposta a sacrifícios extremos para servir ao país e levá-lo a um futuro de prosperidade, justiça, segurança e felicidade.
Para canalizar tamanho empenho cívico, dispomos de mais ou menos …

Confirmador do imutável

Por Carlos Ramalhete
Hoje a Sé de Roma fica vacante, com hora marcada. O mais difícil, no mundo de hoje, é entender o que é a Sé de Roma, o que é um papa, para que ele serve, qual o seu papel.
O historiador francês Alain Besançon, três anos atrás, escreveu no L’Osservatore Romano (o jornal oficioso do Vaticano) que Bento XVI “encontra-se numa posição semelhante à de Paulo VI após o Concílio Vaticano II, enfrentando o que aquele chamou de ‘autodestruição’ da Igreja. Desta vez, contudo, a autodestruição é de toda a sociedade, da natureza e da razão”. Uma sociedade em autodestruição não consegue entender para que serve alguém cuja função é testemunhar o Eterno. [continue lendo]