Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2013

CELEBRAÇÃO DO BATISMO DO SENHOR E ADMINISTRAÇÃO DO BATISMO

HOMILIA DO PAPA BENTO XVI, domingo, 13 de Janeiro de 2013.

[...] Sabei oferecer-lhes sempre o vosso bom exemplo, através do exercício das virtudes cristãs. Não é fácil manifestar abertamente e sem comprometimentos aquilo em que acreditamos, de modo especial no contexto em que vivemos, perante uma sociedade que considera muitas vezes fora de moda e fora do tempo quantos vivem da fé em Jesus. Na onda desta mentalidade, pode haver inclusive entre os cristãos o risco de entender a relação com Jesus como limitadora, como algo que mortifica a própria realização pessoal; «Deus é visto como o limite da nossa liberdade, um limite a ser eliminado, a fim de que o homem possa ser totalmente ele mesmo» (A infância de Jesus, 101). Mas não é assim! Esta visão demonstra que nada entendeu da relação com Deus, pois é precisamente na medida em que se procede pelo caminho da fé, que se compreende como Jesus exerce sobre nós a acção libertadora do amor de Deus, que nos faz sair do nosso egoísmo, do facto …

Programa Ave Maria, 31 de janeiro de 2013.

Imagem
O Programa Ave Maria é o Programa radiofônico da Paróquia Nossa Senhora de Belém e vai ao ar de segunda à sexta das 18h00 às 18h15. Nas quintas a apresentação do mesmo é feita por Dartagnan da Silva Zanela.

O EVANGELHO SEGUNDO NERO

Escrevinhação n. 989, redigida em 27 de janeiro de 2013, dia de Santa Ângela de Mérici e do Beato Jorge Matulaitis.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Que atire a primeira pedra quem não tem nenhum pecado (João VIII; 7). Todos conhecem essas palavras. Muitos a utilizam para defender-se. Aliás, esta passagem é uma das mais profundas (VIII; 1-12) dos quatro Evangelhos. Santo Agostinho, em seus comentários ao Evangelho do discípulo amado, nos lembra que o gesto do Cristo escrever na terra simboliza uma nova afirmação da lei de Deus. Quando Iahweh entregou os mandamentos a Moisés, o fez em pedra, devido à dureza do coração humano. Porém, agora, o Filho do Homem esperava frutos. Frutos vivificados pela Letra da lei.
E não para aí não. Após todos os presentes na ocasião retirarem-se, reflexivos, Nosso Senhor aproxima-se da mulher adultera e pergunta-lhe: “Ninguém te condenou?” Ela responde: “Ninguém Senhor”. E o Filho de Davi conclui: “Pois nem eu te condeno. Vai e de agora em diante não tornes …

UM LUGAR AO SOL

Escrevinhação n. 988, redigida em 21 de janeiro de 2013, dia de Santa Inês.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Por conta do pecado originário, e um amontoado de outras razões, nosso coração vê-se maculado por toda ordem de males. Destes, um merece nossa especial atenção: a autopiedade. Em uma criança, tal manifestação, é natural, porém, indesejável. Por isso mesmo, pais e educadores esforçam-se (ou, pelo menos, esforçavam-se) em ensinar-lhes que ser assim é feio, que gente grande não pode agir assim. Todavia, atualmente, muito mais do que em outras épocas, esse sentimento reina, majestosamente, nos corações de pessoas biologicamente adultas.
Vivemos, invariavelmente, numa época em que os cidadãos não se cansam de repetir que sofrem por serem inocentes (não exatamente com essas palavras). Vemo-nos como vítimas injustiçadas em toda e qualquer circunstância, imaginamos que sempre somos prejudicados por uma conspiração estranha de forças que chamamos de sistema, Estado, elites ou, simplesmente…

MINHA PÁTRIA É MINHA LÍNGUA

Escrevinhação n. 987, redigida em 13 de janeiro de 2013, dia de Santo Hilário de Pontiers.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Certa feita, perguntaram a Graciliano Ramos se ele tinha o hábito de ler dicionários. Este, por sua deixa, respondeu afirmativamente. Não apenas ele. Inúmeros mestres na arte da esgrima com pena e tinteiro o faziam. Mas por quê? Por pedantismo? Para fazer pose de sabido? Creio que não. Segundo as palavras do autor de Angústia, assim deve-se proceder para conhecer o peso e o valor de cada palavra utilizada por nós para sabermos qual palavra é a mais apropriada para expressar algo.
Sou franco, sofro com a língua de Camões, por isso a amo com todas as forças de meu coração e, por essa razão, esforço-me em crescer com o aprendizado dela e não diminuí-la à altura de minha mesquinhez.
Mas, por Deus, por que querer bem as letras? Porque as palavras são pontes que ligam os caminhos da vida, são chaves que abrem as portas ao conhecimento de realidades que até então nos eram d…

QUANDO A PEDRA ANGULAR É NEGADA

Escrevinhação n. 985, redigida em 08 de janeiro de 2013, dia de São Severino.
Por Dartagnan da Silva Zanela
Lembro-me que, em minha porca juventude, fui um leitor voraz das obras de Leonardo Boff. Não li todos os seus livros, mas em muitos de seus títulos deitei minhas vistas.
Na época eu poderia dizer, junto com Fidel Castro, que se a Igreja Católica fosse similar ao “cristianismo” de Boff, eu a integraria. Sim! Nestes idos eu estava distanciado do Corpo Místico de Cristo devido a uma dose desmedida de curiosidade frívola num misto com um bom tanto de vaidade. Eis aí a chave de interpretação para o quadro que pretendo descrever: nesta época, eu era um ateu por adesão.
Por ter minha alma obtusa à Verdade Divina, via nos escritos do referido teólogo, um cristianismo sem Deus e, por isso, minha simpatia para com sua obra em minha mocidade. Seus textos transmitiam apenas alguns valores cristãos esvaziados de todo seu conteúdo ontológico, onde o Verbo Divino encarnado era reduzido a um rel…

Número de monjas enclausuradas no país é o maior desde o século 18

Desde o século 18 --quando a Igreja Católica tinha enorme projeção social no mundo--, nunca a Ordem das Carmelitas Descalças, à qual pertence Laura, teve tantas mulheres "atrás das grades" como agora.
Uma das maiores do país, a ordem, que se instalou no Brasil naqueles anos 1700, tem hoje cerca de mil monjas. Dez anos atrás, eram 700.
Entre as religiosas clarissas, outra ordem no país, são hoje cerca de 300 mulheres, em 30 mosteiros. Em 1955, eram 59 monjas e três casas. [continue lendo]

Vargas Llosa y su 'Civilización del espectáculo'

Imagem

Novena da Medalha Milagrosa

The Putin System (El Sistema Putin - Subtitulos en Español)

Imagem

A obra de Max Weber, por Otto Maria Carpeaux

Artigo foi publicado no 'Suplemento Literário' de 14 de abril de 1962.
No Instituto de Sociologia da Universidade de Munique acaba de ser inaugurado o Arquivo Max Weber, em que, além de documentos e manuscritos, serão conservados os livros e estudos que se escreveram sobre o grande erudito: até agora, aproximadamente, 3.500.
Um orgão tão responsavel e tão insular como o
"Times Literary Supplement" chamou-o, há pouco, de "a maior figura da sociologia do seculo XX".
Raymond Aron e Lorenzo Giusso dedicaram-lhe livros. O Fundo de Cultura Economica divulgou-lhe as obras no mundo de linguas ibericas. No Brasil, toda pessoa medianamente culta conhece o nome de Max Weber, pelo menos aqueles estudos que fundaram uma nova disciplina cientifica: estudando a influencia da ética protestante ou, mais exatamente, da ética calvinista sobre a formação da mentalidade capitalista, essa tese, embora muito discutida, é sua maior gloria e é o grande desmentido contra a idolatri…

Com a palavra, São Gregório de Nazianzeno

[...] Ontem, eu estava crucificado com Cristo; hoje, sou glorificado com ele. Ontem, eu estava sepultado com Cristo; hoje, saio com ele do túmulo. Levemos, pois, nossas primícias àquele que sofreu e ressuscitou por nós. Credes que falo aqui de ouro, prata, tecidos, pedras preciosas? Ó frágeis bens da terra! Eles não saem do solo senão para cair, quase sempre, nas mãos de celerados, escravos deste mundo e do Príncipe do mundo.
Ofereçamos nossas próprias pessoas, que são o presente mais precioso aos olhos de Deus e o mais próximo dele. Rendamos à sua imagem o que mais a ela se assemelha. Reconheçamos nossa grandeza, honremos nosso modelo, compreendamos a força desse mistério e as razões da morte de Cristo.
Sejamos como Cristo, pois Cristo foi como nós. Sejamos deuses para ele, pois ele se fez homem por nós. Ele tomou o pior, para dar-nos o melhor; ele se fez pobre, para nos enriquecer com sua pobreza; ele tomou a condição de escravo, para obter-nos a liberdade; ele se abaixou, para exa…

PELO DESERTO

Escrevinhação n. 985, redigida em 30 de dezembro de 2012, dia da Sagrada Família e de São Rugero.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Confesso: diante dos problemas que assolam o mundo e os escândalos que envergonham o firmamento, não é muito difícil ter a fé abalada. Porém, cair e ver-se mergulhado em uma crise espiritual não é o fim da picada. Faz parte de nossa jornada por esse vale de lágrimas.
Sei que é difícil, para homens do século XXI, com a alma toda carcomida por uma cavalar dose de vaidade, orgulho e soberba, reconhecer nossa debilidade originária. Porém, mesmo que neguemos isso, que finjamos ser fortes ou ignoremos essa verdade ela, mesmo assim, se faz presente.
O não reconhecimento das limitações de nossa inteligência e de nossa fé não nos fortalece. Pelo contrário, nos deixa vulnerável aos inúmeros ataques mundanos que nos acediam em todas as searas. Seja através dos meios de comunicação, das relações sociais, dos jogos de poder, do sistema educacional, enfim, em toda e qualquer…

Entre la Ciencia y la Fe - Dr. Ricardo Castañon

Imagem

Novena das Mãos Ensanguentadas de Jesus [pdf]

A DOUTA E DIPLOMADA IGNORÂNCIA

Escrevinhação n. 984, redigida em 28 de dezembro de 2012, dia dos Santos Inocentes e de Santa Catarina Volpicelli.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Estou convencido. A estultice humana é uma força [quase] insuperável. Isso não significa que entreguei os betes. Não me entrego por bem. Apenas reconheço a dureza da realidade em que nos encontramos frente ao universo cultural e educacional de nosso país.
Bem, vejamos uma amostra deste problema. Em uma contenda intelectual é natural que os interlocutores conheçam, minimamente, o assunto. Deste modo, é mais que razoável que em meio à discussão, quando as informações são faltes, por desconhecimento dos fatos ou devido ao peso mastodôntico do patrulhamento ideológico reinante, que sejam indicados livros dum para o outro e do outro para o um. Aliás, é a troca de informações que nos auxilia na compreensão dos fatos que, por sua deixa, é a causa final dum debate.
Porém, não é assim que ocorre. Nestas plagas a lógica é bem outra. Se você sugerir a lei…