Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2010

CONSELHOS DESDENHADOS [pdf]

CONSELHOS DESDENHADOS

Escrevinhação n. 830, redigido em 17 de maio de 2010, dia de São Pascoal Baylon e da Bem-aventurada Júlia Salzano.
Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - + - - - - - - -
Viver sempre foi uma coisa simples. Aliás, continuará a ser para todo o sempre. Todavia, seja ontem, hoje ou em um amanhã qualquer, lá estaremos nós desdenhando as orientações mais elementares para podermos nos tornar aquele que devemos ser.
Poderia eu aqui, por meio destas parvas linhas, apontar mil e uma utilidades de um bom conselho e dois mil e uma odisséias sobre os benefícios que advém da devida aceitação das verdades que nos são reveladas através das simples palavras que denunciam a maneira tosca que vivemos a nossa passagem por esse vale de lágrimas, mas não o farei. Digo isso porque os conselhos não são muitos, mas as maneiras de nos esquivar deles, estas sim, são de difícil mensuração.
Por essa razão, ao invés de pontuarmos sobre os desvios ou a respeito dos conselhos desdenhados, pedimos licença ao amigo le…

PROGRAMA AVE MARIA, 20 DE MAIO DE 2010

Imagem
O Programa Ave Maria é o Programa radiofônico da Paróquia Nossa Senhora de Belém e vai ao ar de segunda à sexta das 18h00 às 18h20. Nas quintas a apresentação do mesmo é feita por Dartagnan da Silva Zanela.

ENTRE DEDOS E ANÉIS [pdf]

ENTRE DEDOS E ANÉIS

Escrevinhação n. 829, redigida em 13 de maio de 2010, dia de Nossa Senhora de Fátima.
Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - + - - - - - - -
Não importa com que materiais são feitas as grades que encarceram a nossa mente. Podem elas ser de ouro, de prata, de âmbar ou mesmo de uma simplória liga de ferro. Pouco importa. Elas sempre serão grades. Essas grandes podem ser os nossos mais elevados princípios, as nossas mais pífias convicções ideológicas, os mais tolos erros advindos de nosso orgulho, ou simplesmente a nossa coleção interminável de pecados rasteiros. Pouco importa. Todos esses apegos e desleixos que temos conosco são grades que nos afastam, nos isolam, de nós mesmos.
Não são poucas as ocasiões em que nos flagramos, em nossos momentos de isolamento, perguntando sobre a razão de estarmos vivendo a vida da maneira como vivemos. Ou seja: por que vivemos fingindo ser algo que não somos e que, no fundo, não desejamos ser, mas que, faz-se conveniente que finjamos, caminhando grada…

PROGRAMA AVE MARIA, 13 DE MAIO DE 2010

Imagem
O Programa Ave Maria é o Programa radiofônico da Paróquia Nossa Senhora de Belém e vai ao ar de segunda à sexta das 18h00 às 18h20. Nas quintas a apresentação do mesmo é feita por Dartagnan da Silva Zanela.

QUEM EU DEVO SER

Escrevinhação n. 826, redigido em 04 de maio de 2010.
Por Dartagnan da Silva Zanela
“Senhor, fazei-me conhecer a grandeza das ofensas que vos fiz, e a obrigação que tenho de amar-vos”. (Sto. Afonso de Ligório)
- - - - - - - + - - - - - - -
Como nos magoamos com tanta facilidade. Como somos sensíveis e frágeis quando o assunto é o nosso ego, nosso pequenino e medíocre “eu”. Basta que uma pessoa, tão insignificante quanto nós, nos diga algo que logo nos sentimos injuriados. Alguns ficam bravos, em elevado grau, exteriorizando esse estado de espírito. Outros, por sua deixa, apresentam-se de maneira mais discreta, dissimulando certa serenidade, mas que, em seu interior, secretamente, estão a se carcomer-se de raiva, juntamente com todos os sentimentos que lhe são a fim.
Interessante seria se, ao menos, em um reles momento de nossa vida, pudéssemos criar a coragem que tanto carecemos e encarássemos essa faceta indiscreta e mesquinha de nossa alma e procurássemos, de uma maneira franca e sincera…

A TORMENTA QUE ASSOLA OS OLHOS QUE DESDENHAM

Escrevinhação n. 825, redigida em 23 de abril de 2010, dia de São Jorge e de Santo Adalberto.
- - - - - - - + - - - - - - -
A covardia literalmente paralisa a inteligência humana. O medo, quando toma conta da alma, afasta a pessoa da verdade, da realidade, movendo-a em uma procura desesperada por segurança. Quando somos dominados por este vil sentimento, acabamos por trocar a realidade por qualquer simulacro que nos transmita a gentil sensação se conforto e comodidade.
No fundo, o que os indivíduos que integram a sociedade moderna procuram, de um modo geral e irrestrito, é a sensação de estarem confortáveis. Seguras de que ela possam continuar crendo em suas supertições modernas e poder com traquilidade continuar a praticar as suas idolatrias. Quando estamos nos referindo as superstições modernas estamos, em princípio, apontando para a crença de que a sociedade atual e os elementos que a integram são, em seu conjunto, o que de melhor já ocupou a face do planeta azul onde, tolamente, cult…

MAIS UM ANO ELEITOREIRO VEM AÍ

Escrevinhação n. 824, redigida em 29 de abril de 2010, dia de Santa Catarina de Sena e de São Pedro de Verona.
Por Dartagnan da Silva Zanela
“Em terra de cego, quem tem um olho é doido”. (Olavo de Carvalho)
- - - - - - - + - - - - - - -
Eu não me agüento. Tenho de escrever alguma coisa sobre a palhaçada organizada em nome da tal da cidadania. Tenho de falar algo sobre esse circo armado para dissimular uma persona democrática onde há apenas plúmbeos ares totalitários. Isso mesmo, só não vê quem não quer, porque os fatos estão a assaltar a nossa vista sem pedir licença. Mas de que fatos? Bem, sigamos a máxima de Jack.
Primeiro: desde a década de noventa da centúria passada que as plataformas eleitorais e as legendas ideológicas são majoritariamente de esquerda. Umas mais à esquerda, outras menos, mas todas redigindo seus planos e devaneios com a mão canhota. Talvez o amigo não tenha percebido isso justamente porque não leu (i) os “planos” de governo dos partidos, (ii) as resoluções que são to…

A PEDRA DESDENHADA PELOS CONSTRUTORES – parte V

Escrevinhação n. 823, redigida em 17 de abril de 2010, dia de Santo Aniceto e São Roberto de Turlande.
Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - + - - - - - - -
Nada a constar nas terras do Rei. Nada a declarar nestas terras aluadas, nada que a majestade desta terra de desterrados possa, em sua perfídia, declarar, tomado ou não por sua côlera visceral. Mas a quem pertenceria tal poder, poderia indagar o incauto leitor? A quem pertence todo o poder que neste reino de sombras e pó que tantas lágrimas e rangeres de dentes semeou nos corações humanos, sejam esses tenros ou marcados pelos sutis toques das frias mãos de Saturno? Eis aí uma questão que não poderia de modo algum ser desdenhada por nós.
Ora, a grande fonte de poder de todo e qualquer indivíduo humano é o conhecimento. Através do ato de conhecer podemos nos tornar dignos, prestativos e bons. Ou, se agirmos maliciosamente, podemos fazer com que muitas almas nos sirvam na realização dos nossos intentos mais sórdidos e infra-humanos…