segunda-feira, 22 de maio de 2017

QUASE POESIA, n. 123

Toda vez que no sanitário
Dispomo-nos a sentar
Para sossegadamente obrar
É-nos sutilmente revelado,
Se pra pensar paramos,
A mais profunda verdade
Sobre a real face
De nossa humanidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário