QUASE POESIA, n. 92

Deus espera com paciência e vagar
Para, aos corações endurecidos, revelar
A verdade que negam soberbamente
Por diminuírem o real aos limites

Surreais da sua agonizante mente.

Comentários