QUASE POESIA, n. 104

Se a verdade não fosse poética
As palavras tornar-se-iam
Tão insipidas e assépticas
Que nossos olhos acabariam
Se fechando e nossa alma fétida
Em seu leito, sozinha, sufocar-se-ia
Na soberba e vaidade caquética
Que faz pouco da poesia.

Comentários