SEM CONFIDÊNCIAS INCONFIDENTES

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)

(i)
Houve um tempo, não faz muito, que o céu era um alento para as pessoas que, ao cair da noite, contemplavam as estrelas entregando-se aos mistérios que suas piscadelas que inspiravam todo aquele que deleitosamente entregavam-se ao seu espetáculo silencioso.

Atualmente, ao contrário dos tempos de antanho, vivemos com nossos olhos voltados para altura de nosso umbigo, para a tela luminosa dum brinquedinho eletrônico que suga uma porção significativa de nossas horas e um bom tanto do elã de nossa vida.

Enfim, diferentemente dos outros animais, nós éramos a únicas criaturas que contemplavam o firmamento e hoje, tais quais todas as bestas, ignoramos a sua celestial presença tendo os olhos voltados para a viseira eletrônica que voluntariamente passamos a carregar em nossas mãos.

(ii)
A perenidade das palavras não nos garante a eternidade dos aplausos que massageiam nosso ego [envaidecido] através do regozijo que nos é ofertado pela efemeridade dum momento.

Fiar a vida nesse passo, com uma ilusão no horizonte a nos guiar, é, no mínimo, uma grande temeridade, mas que, na atualidade, tornou-se praticamente a regra que rege o cambaleante andar da nossa desfibrada sociedade.

(iii)
As crianças e adolescentes, hoje, dum modo geral, de tão podres de mimados que estão, devido à desídia dos adultos responsáveis por sua educação, acabaram se tornando criaturas incapazes de empatia e almas desprovidas de atos que não seja egolátricos.

(iv)
Coerência, constância e consequência. Três palavras indispensáveis na prática da dita cuja da tal da educação. Três palavras que a educação brasileira ignora olimpicamente. Isso mesmo. Se há algo que é uma constante no incoerente sistema educacional brasileiro é a inconsequência dos atos e malfeitos infantis e juvenis.

(v)
Num país onde os infantes ficam, em média, onze anos em instituições de ensino e, ao final desse período, a maioria delas acaba saindo na condição de analfabeto funcional, é porque isso que se chama nessas terras de sistema educacional, pode ser qualquer coisa, menos algo que tenha como intento educar alguém.

Detalhe: cerca 68% da população brasileira é analfabeta funcional.

Outra coisa: numa sociedade onde as famílias, quando seus rebentos cometem uma série de erros, ao invés de corrigi-los, procura culpar os professores e possíveis coleguinhas, pode ser qualquer coisa, menos uma família.


(*) Professor, cronista e bebedor de café.

Comentários