QUASE POESIA – n. 78 (02/II/2017)

Verdade seja dita: o controle total do Estado
Sobre as riquezas produzidas pela sociedade
É a garantia absoluta de que o trabalho suado
Do povo será usurpado em nome da equidade
Que no fim das contas é apenas um pesado fardo
De injustiça, de escravidão estatal e impiedade
Pra sustentar uma casta que vive feito nababos
Que achincalham o povo em sua dignidade.

Comentários