QUASE POESIA – n. 68 (15/I/2017)

O povo é um poço de paciência sem fim
Com aqueles que mal governam esse país.
Mas ai do dia em que o cidadão se cansar

Dessa raça que apenas faz deitar e rolar.
Nesse dia não dará mais pra embromar
Nem haverá mamãe barriga me dói não.

Os biltres sempre sorridentes irão chorar
E os inocentes secarão as lágrimas sem par
Comemorando o destino dessa raça do cão.

Comentários