QUASE POESIA – n. 53 (05/I/2017)

O vinho que agora bebo não é fino
O dito nem mesmo é envelhecido
Mas nele vou, mergulho e sinto
Toda a verdade travestida de mito.

Comentários