QUASE POESIA - n. 45 (02/I/2017)

Quando um povo perece
Nas mãos ímpias dos maus
Que a tudo impõe o caos
Urgente são as preces
Para os atos retificar
E pedir, sem cessar
Para Deus não permitir
Que o amargor vivido
Nas mãos dos ímpios
Não venha se repetir
Nem aqui, nem ali ou lá,
Em nenhum lugar.

Comentários