QUASE POESIA – n. 42 (31/XII/2016)

Na democracia da república do bichos
Sempre deixa tudo e todos imersos no lixo.
Nela não há limites para o destrutivo caos
Que impera na brasílica Fazenda Animal.

Comentários