QUASE POESIA – n. 16 (10/XII/2016)

Nada é tão desprezível
Quanto um biltre abastado
Querer parecer temível.

Comentários