ENTRE CRÍTICAS E ORAÇÕES

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)

Não são poucos os que erguem a sua estarrecida e indignada voz contra o Papa Francisco, da mesma forma que não é minguado o número de gargantas que vociferam no mesmo tom contra um e outro sacerdote e, as vezes, contra todo o clero.

Espere: quer dizer que não podemos levantar a voz contra as autoridades eclesiásticas? Não. Longe de mim dizer o que é ou não de direito dos fiéis e dos não tão fiéis assim. Longe mesmo.

Aliás, quando as críticas se fazem necessárias penso que elas devem ser ditas sim. Quanto ao tom, cabe a cada um discernir sobre ele.

Bem, mudando um pouco, só um pouco de saco pra mala, permitam-me perguntar: quantos de nós, procura, diariamente, rezar pelo Papa, pelos Bispos, padres, enfim, pela multidão de sacerdotes que sacrificaram suas vidas em nome do corpo místico de Nosso Senhor Jesus Cristo, quantos?

É, meu caro, sacerdotes, como nós, são feitos de carne e ossos. Eles são tentados, são pecadores como eu e você e tem de carregar um pesado fardo. Por isso, da mesma forma que as críticas são importantes, as nossas orações também o são.

Enfim, lembremo-nos toda vez que formos criticar esses homens de Deus - seja ele o Papa ou seu Pároco - e independente do tom que as suas palavras tomem – reze por eles para que Deus os ilumine e, de quebra, até mesmo suas críticas tornar-se-ão mais eficaz e piedosas, mesmo que elas apenas sejam murmuradas no íntimo de sua inquieta consciência.

(*) professor, cronista e bebedor de café.
Site: http://dartagnanzanela.webcindario.com/
Blog: http://zanela.blogspot.com/

Comentários