DIÁRIO DE BORDO: DATA ESTRELAR INCERTA - 013

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)

ESSE É O PREÇO – Ensina-nos o dito popular que todo aquele que tem muita pressa acaba ou comendo cru ou sapecando os beiços.

Um dito simples que simplesmente é desdenhado, principalmente nos momentos que urge termos um cadinho de paciência para, razoavelmente, entendermos o que está acontecendo diante de nossas ventas.

Bem, o resultado todos nós conhecemos muitíssimo bem: é lambança e bobagem para todos os lados e para todos os gostos.

O NOME DEVIDO - Quando está tendo aula num Colégio, as salas estão devidamente ocupadas e, bem ou mal, está ocorrendo o tal do ensino. Agora, quando uma Escola é trancada e transformada numa "madraça rubra" por um punhado de infantes desorientados, instigados por adultos inescrupulosos, pode-se chamar isso de muitíssimas coisas, muitas mesmo, menos de zelo e amor pela tal da educação.

ROSAS RUBRAS DE SANGUE - Somente uma alma atormentada por uma mentalidade psicopática celebra, sorridentemente, as palavras do facínora democida Ernesto Che Guevara como se ele fosse um símbolo de zelo pela justiça e pela democracia. Somente uma alma perturbada é capaz de criticar soberba e hipocritamente qualquer forma de autoritarismo à luz de uma ideologia genocida e totalitária como o marxismo.

Não tremo de indignação diante disso não, porque esse negócio de indignar-se é fanfarronice barata de gente dissimulada, mas confesso: é lamentável. Um deplorável insulto contra a memória das milhares de vítimas do Covarde Guevara de la Sierra, uma afronta cínica contra as mais de cem milhões de vítimas do marxismo e um tapa na cara de milhões de pessoas que, ainda hoje, padecem sob os flancos dessa ideologia tirânica que é tão tolamente idolatrada aqui nessa sorumbática pátria de chuteiras gastas.

ESCOLA SEM PARTIDO - Com o perdão da palavra, mas todos aqueles que ficam babando na gola da camiseta dizendo que o projeto Escola Sem Partido quer acabar com a livre troca de ideias não passam de uns biltres sem um pingo de honestidade intelectual e de vergonha nas ventas. E o são assim por duas razões: porque não há livre troca de ideias no âmago da educação brasileira. Não mesmo. O que há é uma baita inculcação de cacoetes ideológicos advindos dum marxismo cultural rasteiro em todos os níveis e das mais variadas formas; e é justamente isso que o senhor Miguel Nagib, através do Escola Sem Partido, vem a muito tempo denunciando.

SOMBRAS DO AMANHÃ - Um professor, que abusa de sua posição e se aproveita da plateia cativa de seus alunos para sorrateiramente inculcar-lhes suas convicções políticas-ideológicas é algo tão abjeto e nojento quanto à forma licenciosa de desdém manifesta por boa parte da sociedade em relação a essa espinhosa questão.

(ANTI)EDUCAÇÃO - Não existe arrependimento sincero quando não nos reconhecemos como culpados. A consciência moral perece e fenece quando não mais somos capazes de nos responsabilizar pelos frutos, diretos e indiretos, de nossos malfadados atos. Um educador, seja ele um pai ou um professor, que ensina aos infantes que a culpa por suas ações equivocadas seria da sociedade, do sistema ou de terceiros é uma (anti)educação voltada para o estímulo de atitudes e comportamentos psicopáticos e antissociais. É uma verdadeira obra de mutilação da alma da gurizada, uma aberração que, infelizmente, é celebrada por muitos em nosso país como sendo uma tal da “educação crítica e democrática” que, no fundo, não passa de uma sinistra piada de mau gosto.

O MEDO DOS COMUNAS – Os comuno-petistas perderam o controle sob o governo brasileiro, porém, eles ainda tem o controle de uma ampla rede de instituições de poder junto a sociedade.

Sindicatos, associações, entidade estudantis, igrejas, postos de mídia, o sistema de educação e tutti quanti, ainda são dominados pela turma rubra. Como são!

Por isso é de fundamental importância compreender que muitíssimo mais importante que afastar os tentáculos comunistas do instrumental político de Brasília é desmantar a atuação marxista junto ao maquinário burocrático estatal e que está entranhado nessas entidades e instituições que se apresentam como interface entre a sociedade e o aparato estatal.

Se isso não for feito, perdoe-me dizer o óbvio, mas será apenas uma questão de tempo para que esse passo dado pra trás pela esquerda, em pouquíssimo tempo, converta-se em três passos pra diante.

Resumindo: um projeto totalitário de poder extremamente organizado só poderá ser combatido de modo eficaz por um projeto democrático de contra poder também extremamente arregimentado.

E isso, meu caro Watson, é o que os comuno-petistas realmente temem.

(*) Professor, cronista e bebedor de café.

Comentários