PEDRINHAS CAÍDAS NO CAMINHO

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)

(1)
O Brasil vive embevecido em sua alienação, se ufana de seu fracasso e se indigna quando ousam lembrá-lo desse vergonhoso quadro delirante.

(2)
Educação não é uma questão de método; é sim de conteúdo. Seu grande problema não está em como ensinar, mas sim, no que está sendo ensinando.

(3)
Quando a vergonha é grande demais o caipora finge indignação e, afetado, dissimula um pastiche de dignidade pra melhor disfarçar o vexame.

(4)
Com terrorista não se negocia pela simples razão de que ele abdicou ao diálogo quando mandou seu recado escrito a todos com sangue inocente.

(5)
Sem sacrifício não há glória, inexiste ganho digno, não há vida honradamente vivida; sem auto-sacrifício o real valor do existir é ignorado.

(6)
O estudo não deve ser encarado como uma reles obrigação que nos é imposta, mas sim, vivido como uma sincera devoção à procura pela verdade.

(7)
Estudar só para obter nota é similar a presentear uma pessoa que mal conhecemos (e que não nos importamos) com um presente de elevado valor.

(8)
Estudar sem uma amorosa entrega ao bem que está sendo conhecido é similar ao ato de prostituir-se por vil valor. Ou seja: pura degradação.

(9)
Bem pior que os ladrões da república de Banânia são as excrecências que dissimulam dignidade ferida pra defender a amada cleptocracia deles.

(10)
Seja paciente com aqueles que erram e, na medida de suas limitações, ajude-os a reconhecer o erro para poderem realizar o acerto necessário.

(11)
Afagar o erro, mimar o ego daquele que falha não é um ato de misericórdia. Ao contrário! É um gesto cruel para com quem precisa de correção.

(12)
Seja gentil e firme com aqueles que tropeçam; duro com os petulantes e presunçosos; e seja implacável com os dissimulados mal intencionados.

(13)
Uma comunidade pobre de marré-de-si construir uma obra ao custo de cinco mil barões quando o governo do Estado havia orçado-a em 270 mil barões é - para todos aqueles que dizem que o povo brasileiro tem o governo que merece - um cala-boca definitivo.

Isso mesmo! Calem a boca! Cretinos!

Confesso que, a cada dia que passa, estou mais e mais convicto de que é a nossa classe política é que está longe, bem longe de merecer o povo trabalhador e gentil que ela desgoverna e desorienta cinicamente.

Gente vil que não passam de uma raça de víboras, dum amontoado de sepulcros caiados!

(14)

O caipora não é capaz de renunciar as distrações que estão no centro de sua vida e quer fazer crer que irá dar a atenção devida a um livro.

(*) professor e cronista.

Comentários