Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2016

QUANDO O TATU SAI DA TOCA

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) Tudo é breve e fugaz quando tomamos a eternidade como medida de todas as coisas, de todas as pessoas e de nossas ações. Tudo se torna perdurável e aflitivo quando tomamos nossa insignificância ontológica como medida de tudo, de todos e, principalmente, de nossas obras.
(2) Ano eleitoral é assim mesmo: as raposas, as senis e as juvenis, escovam seus pelos, dão aquela recauchutada no visual pra, mais uma vez, tentar convencer todo mundo no sítio republicano que o galinheiro está seguro, ou que ele ficará mais seguro, se suas aveludadas mãos estiverem junto das incautas penosas e, é claro, dos ovos de seus preciosos ninhos galináceos.
(3) Diante de Deus, coração pulsante de nossa consciência, nós temos apenas deveres. Ponto. Todavia, quando vemos no horizonte de nossa vida apenas os tais dos “nossos direitos” em toda parte, em todas as questões, seja aqui ou acolá, é porque expulsamos vergonhosamente o Sapientíssimo de Sua morada em nossa consciência para,…

SEM AREIA NOS OLHOS

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) Em política faz-se aliados; num trabalho, companheiros. Partilhando valores cultivasse amigos e, quando esses são espirituais, um irmão.
(2) A dissolução da razão de ser da família é calculada pra atomizar o indivíduo, subordinando-o aos poderes que planejaram essa treta sinistra.
(3) Não sei até onde o ritmo dos átrios do coração alcança, nem o quanto as sinapses cerebrinas alumiam. Sei apenas que o Divino a tudo arrebata.
(4) Ler - ler bem - é um trem que exige que o sujeito tenha uma alma amadora, verde, sempre imatura para que ele não perca a sede vivaz pelo saber.
(5) Surpreendentemente, a galerinha do tal de STF, depois de tantas traquinagens sem graça, ainda consegue nos surpreender com novas marotices.
(6) O que há no Brasil é cultura da impunidade que, de um modo geral, é defendida por abibolados fingidos que vivem falando de cultura do estupro.
(7) Quanto mais a esquerda - a podre e a chique - atacam o deputado Jair Bolsonaro, mais claramente mostram …

[áudio] PROGRAMA AVE MARIA, 23 de junho de 2016.

Apresentação: Dartagnan da Silva Zanela

O PATO E SUA PATA

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) É importante saber a diferença que há entre o "caminho do meio” e a mediocridade para não acabar caindo numa tolice mendaz desnecessária.
(2) Estar consciente é perceber-se como um exilado no mundo. Alienar-se é crer que há um lugar verdadeiramente nosso nesse vale de pó e sombras.
(3) Não queira ter uma resposta cínica na ponta da língua para toda e qualquer ocasião. Prefira ser prudente no falar e diligente no agir.
(4) Ostentar títulos, venerar carreiras e benesses tolas que exigem de nós apenas trejeitos de superioridade é a própria mediocridade manifesta.
(5) Seja generoso para com todos; procure trazer alegria aos corações aflitos; porém, busque na medida de suas forças não ser inconveniente.
(6) Após a última do STF não há mais a menor dúvida de que o Brasil tornou-se um colossal manicômio onde lunáticos travestem-se de autoridades.
(7) Cristo - o Verbo divino encarnado - é o Centro da revelação, o vértice de toda a história, a razão da existência d…

ABRA O OLHO NAVEGANTE

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) Pessimismo e otimismo diante de situações graves são duas formas diversas de disfarçar aquele acovardamento inconfessável. No primeiro caso se diz que não adianta fazer nada porque está tudo perdido. No segundo afirma-se que não é preciso fazer coisa alguma porque o que está acontecendo não há de ser nada. E, desse jeitão, ambos, cada qual ao seu modo, recusam-se, fazendo pose, a ver o que está acontecendo diante de seus olhos para não ter que fazer o que é necessário simplesmente por medo de ter de encarar a realidade tal qual ela se manifesta diante de nós.
(2) Pessimismo é covardia fantasiada de orgulho. Otimismo é acovardamento disfarçado com plumas de vaidade. Realismo é fazer o que é necessário.
(3) William Blake dizia que quem nunca, nunquinha muda de opinião seria tal qual uma grande poça de água parada: com o tempo sua alma fede feito a um pântano e começa a criar répteis e toda ordem de criaturas peçonhentas. Essa é a clara impressão que eu te…

PEDRINHAS CAÍDAS NO CAMINHO

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) O Brasil vive embevecido em sua alienação, se ufana de seu fracasso e se indigna quando ousam lembrá-lo desse vergonhoso quadro delirante.
(2) Educação não é uma questão de método; é sim de conteúdo. Seu grande problema não está em como ensinar, mas sim, no que está sendo ensinando.
(3) Quando a vergonha é grande demais o caipora finge indignação e, afetado, dissimula um pastiche de dignidade pra melhor disfarçar o vexame.
(4) Com terrorista não se negocia pela simples razão de que ele abdicou ao diálogo quando mandou seu recado escrito a todos com sangue inocente.
(5) Sem sacrifício não há glória, inexiste ganho digno, não há vida honradamente vivida; sem auto-sacrifício o real valor do existir é ignorado.
(6) O estudo não deve ser encarado como uma reles obrigação que nos é imposta, mas sim, vivido como uma sincera devoção à procura pela verdade.
(7) Estudar só para obter nota é similar a presentear uma pessoa que mal conhecemos (e que não nos importamos) com…

MUITO BARULHO POR NÁDEGAS

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) Liberdade e solidão são palavras que frequentemente se confundem uma com a outra e, por essa e outras razões, nos confundem tanto a moringa.
(2) A dolorosa solidão de Cristo na cruz revela-nos a face - humana e divina - da liberdade. A reação da multidão diante dessa visão libertadora mostra-nos as múltiplas faces - humanas e demoníacas - da escravidão.
(3) Um castigo, seja ele doméstico, escolar ou social, é um ato de misericórdia para com aquele que fere o mínimo razoável que é esperado da conduta de uma carcaça humana. Se ele não sente nem compreende o erro que cometeu, se seu deslize não é exemplarmente punido para sinalizar aos demais que aquilo que foi feito por sua pessoa é inadmissível, com o tempo, seu ato desarrazoado ganha status duma atitude incompreendida e discriminada injustamente pela comunidade estabelecida. Resumindo o entrevero, é o óbvio ululante que vovó dizia: panela quente queima os beiços pra ensinar o moleque arteiro que ele não…

BRANQUEOU OS CAMPOS, AS SERRAS E O QUINTAL

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) A geada revela aos olhos uma beleza ímpar e, ao tato, uma dor singular. E ambas tocam o nosso coração sem pedir licença e sem se desculpar.
(2) Sinta nojo, mas não sinta inveja. Até fique furioso se quiser, mas não sai cuspindo nos outros ou defecando no retrato de alguém. Isso é feio.
(3) Por que feministas derrubam cruzes, profanam Igrejas, agridem sacerdotes e enxovalham imagens sacras? Por empoderamento ou por respeito?
(4) O que uma pedagogia equivocada apresentada com certo refino acadêmico fará pela educação quando colocada nas mãos de estultos diplomados?
(5) A educação brazuca aposta cada vez mais em refinadas técnicas para ensinar cada vez menos e incutir mais tolices ideologizadas nos infantes.
(6) Muitas vezes é imprescindível regressar para podermos seguir em frente de maneira acertada.
(7) Tentar compreender a sociedade brasileira, na maioria das vezes, é uma tarefa inglória e, por isso mesmo, um trabalho imprescindível.
(8) Tão truculenta quanto à …

O SÁBIO OLHAR DO JUMENTINHO

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) Cultive as virtudes do jumentinho. Seja duro no trabalho, perseverante em suas resoluções, fiel aos seus valores e manso para com os seus.
(2) O ser humano, nós em nossa humanidade, não somos essencialmente maus nem fundamentalmente bons. Somos apenas medíocres. Só isso e nada mais.
(3) Hobbes, Rousseau e tutti quanti se equivocam sobre a natureza humana porque, como nós, eles não eram capazes de confessar a sua mediocridade.
(4) Quem ri o tempo todo de qualquer coisa não é uma pessoa plena não; é apenas uma alma desesperada tentando disfarçar sua plúmbea desesperança.
(5) Nada é tão estranho quanto gratificante que rever o lugar onde passamos a infância. Tudo que um dia foi gigante apresenta-se pequenino.
(6) Desconfio de pessoas convictas de sua bondade, que fazem questão de parecer boazinhas. Em regra não passam de canalhas dissimulados. Só isso.
(7) A questão não é saber um monte de coisas e coisinhas, mas sim, saber o que e porque fazer certas coisas e coi…

PELO FIM DA HEGEMONIA DO CINISMO RUBRO

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) Sala de aula não é lugar pra ideologia. Onde ela fixa suas garras, não há educação; há apenas uma hegemônica e rasteira doutrinação.
(2) Escola sem partido não é mordaça não; é libertação. Libertação da hegemonia cínica de doutrinadores fantasiados de professor.
(3) Verdade seja dita: hoje a educação brasileira se encontra asfixiada por uma mordaça ideológica, mordaça essa tecida por uma trama de trapos tecidos com o mais grosseiro linho marxista [cultural], que mutila a alma infante sem dó; reduzindo a educação, transformando-a num vil e rasteiro processo de doutrinação.
(4) Doutrinação marxista, apresentada com o pseudônimo fofo de educação crítica, reduz criticamente a capacidade cognitiva do indivíduo e mutila drasticamente o horizonte de compreensão de suas vítimas.
(5) O Estadossauro não pode soberbamente doutrinar as crianças e chamar essa vil prática de educação para autonomia. Isso é uma afronta às futuras gerações que não tem comparação.
(6) Uns def…

BORRÕES E RASURAS SEM PROPÓSITO

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)
(1) Frota e Freire. O primeiro é um ator pornô sem noção do que seja educar; o outro, com sua pedagogia do oprimido, sodomizou a educação brazuca.
(2) A questão não é a necessidade primaz de um ministério da cultura, e mesmo um da educação, mas sim, que elas, cultura e educação, existam.
(3) Perdemos o senso das proporções, a noção do ridículo, literalmente abdicamos daquilo que os antigos chamavam de juízo e vergonha na cara.
(4) Fala pelos cotovelos da programação televisiva, que ela é um isso e aquilo, mas não consegue deixar de ver a dita cuja da novelinha da Globo.
(5) A turma boazinha chama de enredo inteligente e legal os surrados clichês e estereótipos politicamente corretos mastigados pelas telenovelas.
(6) Morre, cumprindo o dever, um policial a cada 32 horas. Policiais que recebem dos bons moços apenas uma fria, tacanha e "crítica" indiferença.
(7) Tudo bem você me odiar com todas as tuas forças; mas, por favor, odeie-me pelas razões certas, nã…