PARAFRASEANDO O VENTO

Por Dartagnan da Silva Zanela (*)

(1)
Descartes dizia: penso, logo, existo. Mas ele não precisa primeiro existir pra poder pensar e, inclusive, pra poder ser capaz de dizer isso.

(2)
Quando lemos Kant nós estamos tendo contado com o nôumeno de sua obra ou apenas com uma aparência fenomênica de seus pensamentos?

(3)
O entendimento que tenho da obra de Kant será a compreensão de seu sistema em si ou apenas um juízo a priori de minha parte?

(4)
Se tudo é apenas aparência fenomênica, a obra de Kant, que procura nos revelar a realidade em si, não seria apenas uma aparência fenomênica?

(5)
Uma coisa é oposição; outra, bem diferente, é revanchismo ideológico; obstrução do bem do país com as mesquinharias dum partido totalitário.

(6)
O caipora que mais ama o PT é o FHC. Basta acontecer algo de mais duro com a sigla que o sociólogo lamenta. Eles se merecem. O Brasil não.

(7)
A cultura nacional entrou numa onda que só por Deus. Entretanto, você já parou pra prestar a devida atenção no rumo/turvo de nossa educação?

(8)
Pra cada herói anônimo e abnegado que procura fazer na medida de suas forças o que é necessário há uma chusma de medíocres para condená-lo.

(9)
As palavras têm, nas almas distraídas, um efeito hipnótico, levando-as a defenderem o indefensável sem se flagrar do ridículo assumido.

(10)
Um dos piores hábitos que infectam a mentalidade atual é o de acatar teorias e ideias sem confrontá-las com a dura realidade dos fatos.

(11)
Existem os humanos, os direitos humanos, os manos e os defensores desses que os colocam acima de todos por simplesmente serem manos.

(12)
Uns fazem o que é certo, mesmo que o condenem por isso. Outros vivem o erro e para o erro por pegar bem.

(13)
Nada mais claro, nada mais simples e direto do que essa observação feita pelo professor Olavo de Carvalho. Diz-nos ele: “Opinar sobre o curso das coisas políticas sem o devido preparo teórico é como tentar aprender engenharia brincando de Lego”. Pois é, o Brasil está cheio de gente sabida que pensa e age assim. Gente essa devidamente diplomada; é claro.

(14)
Democracia no Brasil é um sistema de conciliação e reconciliação de oligarcas que falam em nome do povo ignorando a existência das pessoas.

(15)
Quem quer que defenda um projeto de reconciliação com bandidos não procura justiça; quer apenas defender sua malícia com a leniência da lei.

(*) professor e cronista.

Comentários