CONVERSA QUIXOTESCA, 28/XI/2015: O monstro que há em nós.

Comentários