Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2015

SEM TROPICAR NAS PEDRAS

Por Dartagnan da Silva Zanela
[i] Todos, de vez em quando, contra a vontade, são feitos de trouxa. Porém, somente os militontos, de corpo e alma, são trouxas voluntários.
[ii] Comunas de todas as colorações, entendam uma coisa, sem fazer beicinho ou comiseração: a sociedade está padecendo com a mobilização dos caminhoneiros, sim, mas está com eles nesta luta poque todos nós estamos padecendo juntos com os mandos e desmandos daqueles que estão enlameando e desmantelando a nação em nome dum totalitário projeto de poder que, desde de sua concepção, está fadado ao fracasso e, goste-se ou não disso, eles estão arrastando toda a sociedade brasileira junto com eles e seus delírios vermelhos para o fétido pântano da cubanização.
[iii] Muitas pessoas, com justa indignação (ou não), chamam, muitas vezes, os simpatizantes do comuno-petismo de jumentos. Pô! Isso é sacanagem da brava. Uma desnecessária falta de respeito. O que os pobres moares tem haver com os entreveros brasílicos?
Pois é, e tem out…

Olavo de Carvalho - Comentários sobre a literatura no Brasil

Imagem

DIÁRIO DE CLASSE – parte X

Por Dartagnan da Silva Zanela

[i] É comum ouvirmos um e outro sujeito afirmar que a verdade não existe, que tudo é relativo, que todo ponto de vista não passa da vista dum ponto. Pois bem, mas o que há entre um e outro ponto? A realidade e, consequentemente, a verdade, que não pertence nem a um, nem a outro e que, aliás, independe da existência de ambos.
É claro que sempre há aqueles que dirão, para legitimar a relatividade de tudo, que é impossível captar a totalidade da realidade e, por isso, tudo seria relativo. Não mesmo. O fato de nós não sermos capazes que captar a totalidade do real sinaliza apenas que nossa capacidade de captá-lo é limitada e relativa, não que ele o seja.
Enfim, concluir que a verdade é relativa simplesmente porque não somos capazes de chamá-la de nossa, em sua inteireza, é o mesmo que acreditarmos que Jennifer Lopez é relativamente bela só porque não podemos furtar-lhe um beijo. Seja como for, tanto nesse caso ou frente as observações feitas anteriormente, o me…

DIÁRIO DE CLASSE – parte IX

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] Verdade seja dita: dialogar é preciso. Dialogar, não jogar conversa fiada pra boi dormir. Capcioso detalhe: o pior é que nem sempre o bicho dorme.
Trololós à, sobre esse ponto, o tal do dialogar, o filósofo judeu Martim Buber era categórico chamando nossa atenção para o que o mesmo denominava como sendo um diálogo dialógico e um diálogo monológico.
O primeiro seria simplesmente uma conversa franca e transparente entre um EU e um TU. Um diálogo onde ocorre uma abertura do sujeito cognoscente para a realidade, para o ser. Ou seja: da realidade duma pessoa para o ser doutra, ou do ser dum indivíduo para a realidade de Deus, ou dum sujeito consigo mesmo.
No segundo, tal não ocorre. Entre o EU e o TU edifica-se um obstáculo, ou uma série deles, que impede que o sujeito tenha uma clara visão do seu interlocutor, seja ele uma outra pessoa, Deus, ou ele mesmo. Trocando por miúdos: por mais loquaz que seja o figurão ele n…

DIÁRIO DE CLASSE – parte VIII

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] Discutir, trocar umas ideias, é bom? Nem sempre. Tudo depende da intenção que nos motiva a entrar numa discussão e com quem iremos realizar o brique.
Se você for uma pessoa razoavelmente séria, e se seu contendor também for, com toda certeza, a proza será bem proveitosa para ambas as partes. Se ambos querem conhecer, partilhar o que sabem, e estão mergulhados nesse intento com uma profunda sinceridade, bons frutos poderão ser colhidos.
Entretanto, como ocorre na maioria dos casos, se um dos interlocutores for um embromador de carteirinha que apenas está preocupado com a sua pose postiça de sabido, abandone de imediato porque, sinceramente, será apenas uma perda de tempo a mais em sua vida.
Enfim, não caia nessa esparrela de discutir por esporte. Esse negócio de querer discutir tudo, o tempo todo, com qualquer um não passa dum impulso vaidoso boboca que apenas emburrece. Detalhe: com o tempo, não haverá trejeitos …

[vídeo] Olavo de Carvalho e seus "debatedores" científicos

Imagem

DIÁRIO DE CLASSE – parte VII

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] Cansei-me das palavras que não se cansam de  ficar circulando aqui e acolá, porque os atos que transitam pelos mesmos caminhos já me disseram tudo o que eu preciso saber.
[ii] Não são necessárias palavras para reconhecermos um canalha e sabermos se ele está mentindo ou não. Basta apenas que observemos atentamente o olhar do biltre, ou a maneira como o mesmo esquiva-o, para que ele nos conte tudo o que precisamos saber sobre o seu caráter sem que, necessariamente, ele abra a boca para dizer uma única mentira.
[iii] Dizer que está na luta soa bonito. Dá aquele ar de destemor estilo Clint Eastwood. Bacana mesmo, porém, toda a belezura descamba quando associa-se a dita luta com a figura dum psicopata como o Che Guevara, pois, das duas uma: ou você é um estúpido facilmente influenciável sendo utilizado como massa de manobra por aqueles que idolatram esse monstro, ou você é um desses idólatras. Infelizmente, não há me…

[vídeo] Sermão da Quarta feira de Cinzas, Padre Antonio Vieira

Imagem
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Sermao da Quarta-feira de Cinza.pdf by jcmmacedo

DIÁRIO DE CLASSE – parte VI

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] Ensina-nos Santo Ambrósio que “a instituição do poder deriva tão bem de Deus, que aquele que o exerce é ele mesmo ministro de Deus”. Porém, de maneira insensata, muitos homens públicos recusam-se a reconhecer a origem de seu poder. Soberbamente creem que excelência do cargo que ocupam funda-se unicamente na malícia com que eles manipulam a temperamento do povo, cujos interesses eles fingem representar.
De mais a mais, todos nós, um dia, teremos que nos explicar perante o tribunal celestial e aqueles que muito receberam, muito terão de explicar, principalmente se tiverem colocado a sua mesquinha vontade acima da Vontade Daquele que colocou nos seus ombros o fardo do mando que vilmente, em nosso país, é convertido no fausto do desmando.
Enfim, por essas e outras que a Sagrada Escritura nos ensina que o princípio da sabedoria é o temor de Deus. Tais palavras não são uma forma de ameaça. Não mesmo. Elas são um conse…

DIÁRIO DE CLASSE – parte V

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] Nesses últimos dias, alguns legisladores federais manifestaram contrários ao pacote de maldades do governo Richa no Paraná, declarando, em uma só voz, que eles estão ao lado do povo paranaense.
Tal manifestação é bem vinda, não há dúvidas. Entretanto, a casa legislativa que lhes abriga é o Congresso Nacional e não a Assembleia Legislativa Estadual. Levando isso em consideração, creio que seria de bom alvitre que os legisladores que manifestaram-se ardorosamente em defesa do povo que o façam, com a mesma paixão, no Congresso Nacional, contra o pacote de maldades do governo Dilma que também nos afetam barbaridade.
Enfim, se os distintos legisladores paranaenses que estão a nos representar no Planalto Central, na esfera federal, mantiverem-se calados, como estão, diante dos mandos e desmandos do governo petista, os cidadãos paranaenses dificilmente irão levar a sério suas bravatas contra a (des)governança tucana es…

[vídeo] Reuven Feuerstein y la Teorìa de la Modificabilidad Cognitiva Estructural

Imagem

COM QUANTOS NERVOS SE FAZ UM ESTADISTA

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
Há quem diga, por liberalidade de suas luzes, ou por puro espírito propagandístico, que os pacotes de maldades anunciados pelos subalternos imediatos do governo do senhor Richa e pelos serviçais de primeira escalão da senhora Rousseff, seriam um sinal indelével de que ambos, cada qual no seu quadrado, seriam estadistas de primeira grandeza.
Quem deseja crer nisso, sinta-se a vontade. Quem sou eu para questionar as crendices de alguém? De minha parte, tenho lá as minhas. Todavia, vale lembrar que, sim, estadistas de grande envergadura, muitas vezes viram-se obrigados a tomar medidas impopulares em curto prazo para o bem da sociedade em longo prazo, porém, nenhum chefe de Estado diligente sacrificou os cidadãos, ludibriando-os com o objetivo de simplesmente garantir uma vitória eleitoral, fazendo-os cair numa ingrata arapuca. Aliás, uma visão de tamanha estreiteza, como a dos governantes citados, está a léguas de dis…

SÃO JOÃO BOSCO, rogai por nós....

Imagem
Oh! Pai e mestre da juventude, São João Bosco, que tanto trabalhastes pela salvação das almas, sede nossa guia em buscar o bem da nossa e a salvação do próximo, ajudai-nos a vencer as paixões e o respeito humano, ensinai-nos a amar a Jesus Sacramentado, a Maria Santíssima Auxiliadora e ao Papa, e obtende-nos de Deus uma santa morte, para que possamos um dia achar-nos juntos no Céu. Amém.
Oração para obter alguma graça especial
Oh! Dom Bosco Santo, quando estavas nesta terra não havia ninguém que acudindo a Vós, não fosse, por Vós mesmo, benignamente recebido, consolado e ajudado.
Agora no céu, onde a caridade atinge a perfeição quanto deve arder vosso grande coração em amor até os necessitados!
Vede, pois, minhas presentes necessidades e ajudai-me obtendo-me do Senhor (pede-se a graça).
Também vós haveis experimentado durante a vida as privações, as enfermidades, as contradições, a incerteza do porvir, as ingratidões, as afrontas, as calúnias, as perseguições e sabeis que coisa é sofr…

DIÁRIO DE CLASSE – parte IV

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] A inteligência é uma poderosa faculdade humana, porém, limitada e falível, tal qual nossa decaída natureza. Quanto a cretinice, essa é uma tendência constante, praticamente irresistível, que parasita a nossa alma e que incansavelmente insiste em ultrapassar os limites impostos pelos umbrais da razoabilidade.
[ii] A dignidade humana não encontra-se no clamor delirante da defesa dos nossos desejos, sejam eles carnais ou materiais. Na verdade, o apego excessivo aos gritos da carne e aos delírios mundanos apenas nos agrilhoam a mais vil bestialidade. De mais a mais, num quadro emoldurado desse modo, acaba-se colocando os apetites no centro da realidade e esses, por sua natureza, são insaciáveis, gerando apenas mais e mais insatisfação numa crescente onda auto-destrutiva.
Tal entrevero ocorre porque coloca-se os quereres mais rasteiros no lugar de Deus, idolatrando a realização material, as fantasias sexuais, resumin…

Beethoven - Symphony No.9 (10000 Japanese) - Freude schöner Götterfunken

Imagem

Santa Josefina Bakhita, ora pro nobis.

Imagem

DIÁRIO DE CLASSE – parte III

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] A verdade não é um parecer que emitimos. Algo  não se torna verdadeiro simplesmente porque nos apetece. Alias, todo aquele que é capaz de ser razoavelmente sincero consigo sabe que muitas vezes apreciamos coisas desprezíveis e que rejeitamos outras tantas que são evidentemente verdadeiras. Essa aceitação, ou rejeição, em nada contribui para a veracidade ou falsidade do objeto; apenas reflete o nosso estado subjetivo em relação a ele.
Essa praga, o subjetivismo como critério de veracidade, tornou-se uma epidemia que infecta todos os meandros da sociedade contemporânea onde tudo passa a ser julgando pelo critério do “eu penso assim” ou do “ou acho assado”, substituindo a constatação direta de que algo seja assim ou assado.
Só o fato da grande maioria dos indivíduos confundirem o que pensam e sentem em relação a algo com o que esse algo seja, por si só, é um sinal inconteste de que chegamos a um nível praticamente …

[vídeo] A atualidade do tomismo na psicologia

Imagem

O AVESSO DO AVESSO

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] Muitas vezes somos insultados, noutras tantas somos nós os agentes das ofensas, infelizmente. Para realização de tal indelicadeza a nossa natureza demasiadamente humana nos oferta várias possibilidades. Infindáveis possibilidades, diga-se de passagem.
A mais sorrateira, a forma mais cretina de desrespeitar uma pessoa (ou várias ao mesmo tempo), é a de gerar falsas expectativas no sujeito. Por exemplo: descumpre-se promessas ao mesmo tempo que anuncia outras, ou muda-se as regras e contratos das regras do jogo do ganha-pão a seu bel prazer, sem anúncios ou comunicados prévios.
Como havíamos dito anteriormente, não há limites para isso, porém, dum jeito ou doutro, o sujeito que assim procede, seria similar a um moleque que muda as regras da partida de futebol só porque é o dono da bola ou porque acredita ser o mais fortinho da turma. Resumindo: em regra, é sempre um babaca mimadinho que acha que pode fazer tudo se…

CARTA ABERTA AOS REPRESENTANTES DO POVO PARANAENSE

- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
Senhores legisladores, legítimos representantes do povo paranaense, por meio dessa missiva, apresentamos aos senhores um apelo. Uma súplica, pra sermos sinceros. Não por nós ou por uma categoria em particular, mas sim, pelas futuras gerações que pisarão esse abençoado chão vermelho.
Esse Estado que, primeiramente, fora presidido por Zacarias Góis de Vasconcelos, hoje encontra-se sob a governança do senhor Carlos Alberto Richa, vulgo Beto Richa, que, como é de conhecimento de todos e escândalo geral de todos os cidadãos, vem demonstrando grande incapacidade em capitanear o Paraná, brindando-nos com um amargo cálice de medidas para tentar, aparentemente, corrigir os equívocos advindos de seu “apagão de gestão”, conforme fora apontado, certa feita, pelo Senador Álvaro Dias.
Com as atitudes recentes, o senhor governador vem portando-se de maneira truculenta, ultrajando os funcionários públicos Estaduais e os cidadãos dessa terra de pinheirais dum mo…

Dep. Bruno Araújo reproduz áudio da presidente Dilma e aponta contradição no discurso

Imagem

DIÁRIO DE CLASSE – parte II

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] Podemos fazer o que quisermos e dizer o que nos der na ventana, porém, nem tudo convêm. Assim nos ensina São Paulo através duma de suas epístolas.
Mesmo que com a admoestação do apóstolo dos gentios, seja conhecida por todos, sua prática é ignorada por muitos. As razões para tanto podem ser as mais variadas possíveis, entretanto, podemos resumir a duas que são conhecidas de todos nós a muitíssimo tempo. São elas: a soberba e a vaidade.
Embebido em nossa soberba de cada dia, cremos que sempre temos algo a dizer a respeito de tudo ignorando nossa real condição e,  por isso, nos inflamos a uma posição bem acima de nossos méritos.
Não é por menos que esse é o primeiro pecado. O pior de todos. Ele se aproxima de tudo para tudo destruir em favor de nosso engrandecimento auto-bajulatório que é um terreno fértil para o cultivo das pútridas tulipas da vaidade. E, por essas e outras, não nos flagramos que não somos o centr…

Heitor Villa-Lobos - Bachianas Brasileiras nº 2

Imagem

CONTE NOS DEDOS PRA NÃO ERRAR

Por Dartagnan da Silva Zanela
- - - - - - - - - - + - - - - - - - - - -
[i] Os pacotes de maldades estão vindo de todos os lados. As notícias não são, de modo algum, alvissareiras  para a sociedade brasileira. Todos sabemos disso. Agora, enfim, todos estão sabendo.
Diante desse quadro, pra ser sincero, o que me chama a atenção, não são os fatos, mas sim, as reações que estão sendo emitidas em todas as claves e tons, cada uma à sua maneira, com suas razões, porém, praticamente todas, entoadas a partir duma pergunta pouco apropriada para a ocasião.
Tem-se a clara impressão de que a primeira pergunta que se faz, diante das maldades anunciadas é: “como isso vai me atingir?” Pergunta essa que muitas vezes pode nos levar a conjecturas absurdamente delirantes. O medo faz isso. Não que essa pergunta não deva estar presente, não mesmo. Entretanto, a primeira que deveríamos levantar é: como é que isso chegou a esse ponto? Qual é a real situação de nosso país? Infelizmente ou não, o tempo pode e d…

LEÔNIDAS NAS TERMÓPILAS, por Jacques-Louis David (1814)

Imagem
Artista: Jacques-Louis David Material: Tinta a óleo Período: Neoclassicismo Dimensões: 4,0 m x 5,3 m Criação: 1812–outubro de 1814 Gênero: Pintura histórica