E AINDA QUEREM CAFUNÉ!

Por Percival Puggina.

Em sua página no Facebook, a senhora Jandira Feghali, deputada federal do PCdoB, divulgou nota a respeito dos "crimes de ódio" que estariam acontecendo contra os comunistas em nosso país. Fala em injúria, difamação e, claro, em fascismo.

 Ora, ora, dona Jandira. Cem milhões de cadáveres produzidos ao longo de um século por seguidores de seus ideais lhe parecem insuficientes para justificar rejeição moral às suas ideias e práticas políticas? Pois, então, lhe acrescento mais algumas. Em nossas escolas, militantes dessas mesmas ideias doutrinam nossas crianças. Sucessivas gestões do ministério da Educação e de órgãos estaduais e municipais de Educação divulgam material didático com igual conteúdo. Órgãos oficiais dedicados à "cultura" nacional raramente cuidam de outra coisa ou destinam recursos para quem diverge da sua ideologia. Em concursos públicos, muitas respostas "certas" correspondem a seu modo de ver as coisas. O dinheiro do contribuinte brasileiro é desviado pelos seus compadrios oficiais para financiar governos alinhados com o seu partido na América Latina e na África.

 Na base do governo e fora dele, seu partido e associados dedicam-se a combater liberais e conservadores, como regra, aliás, oponentes muito pouco ativos, quase inertes. Pois até essa oposição é merecedora de violentos ataques, sendo apresentados como inimigos a serem esmagados, causadores insensíveis dos males nacionais, parceiros dos ricos e inimigos dos pobres. Tamanha tolice é afirmada contra toda evidência, pois nunca, na história do Brasil, um governo distribuiu tanto dinheiro aos ricos, ajudou tanto os negocistas em suas negociatas e proporcionou tantos ganhos lícitos e ilícitos aos economicamente mais poderosos.

 As ideias que a senhora e seus parceiros defendem (malgrado as imensas contradições morais entre a teoria e a prática), já acabaram com a valiosa autonomia da OAB, já destruíram a credibilidade da CNBB, já derrubaram a capacidade pastoral de muitos púlpitos e pregadores, já afastaram da fé cristã muitos religiosos e religiosas, já afundaram no marxismo, no laicismo e no anticlericalismo muitas escolas e universidades católicas, já desacreditaram muitos tribunais.

 Quando seu partido e seus associados estavam na oposição, faziam uso constante da violência através das invasões de propriedades rurais e urbanas, de estabelecimentos públicos, de plenários de parlamentos. Quando o povo ordeiro saiu às ruas nas jornadas do ano passado, seu partido e seus associados extraíram dos subterrâneos a fúria destruidora dos black blocs. E esvaziaram as manifestações.

 E a senhora, seu partido e associados têm a audácia - ou a ignorância explícita - de nos chamar fascistas? "Fascistas" liberais? "Fascistas" conservadores? "Fascistas" defensores da democracia constitucional e representativa? Ora, vá estudar!

Como podemos ser fascistas, nós, que queremos liberdade e pluralismo? Nós que nos manifestamos por meios pacíficos, que não incendiamos ônibus, não jogamos pedras, não quebramos vidraças? Nós que queremos um Estado pequeno, que respeite o espaço da vida privada, os indivíduos, seus negócios e suas famílias? Nós, que combatemos o comunismo por dever moral, no plano das ideias e das instituições que a senhora, seu partido e associados ocuparam? Nós que somos caracterizados por aquela tolerância inerte que, de hábito, é própria da "ação" política de liberais e conservadores? E agora ficamos sabendo que, mesmo sob tão benignas condições, basta que se conte a história de sua ideologia, basta que se aponte as más consequências dela, bem atuais em Cuba e na Venezuela, basta que se mencione o Foro de São Paulo, basta que se critique a corrupção que se multiplica no país, basta que se comente as descaradas deliberações da Unasul, para a senhora nos ameaçar com a polícia? Agora, me diga quem é fascista.

Examine o comportamento da esquerda contrariada, do seu partido e associados, por exemplo, numa assembleia estudantil, numa eleição de DCE, na invasão de alguma universidade, numa reunião do Congresso Nacional quando alguém grita "Vai para Cuba!". E me diga quem é fascista. O comunismo, deputada, é irmão gêmeo do fascismo. Aprenderam muito um com o outro. E ambos causam igual repugnância a liberais e conservadores! No fundo, no fundo, eu acho que a senhora, seu partido e associados, pelas afinidades que têm com as práticas do fascismo, preferiam viver sem oposição, ou com uma oposição que lhes fizesse cafuné.


_____________
* Percival Puggina (69), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, integrante do grupo Pensar+.

Comentários