Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2014

NOTAS CONTEMPORÂNEAS

Escrevinhação n. 1091, redigida no dia 30 de janeiro de 2014, dia de Santa Batilde e de Santa Jacinta Mariscotti.
Por Dartagnan da Silva Zanela

1.  O passado sempre se faz presente em nossas vidas com suas preciosas lições. Infelizmente, o homem moderno, por encontrar-se agrilhoado aos momentos fugidios destacados da concretude da realidade, faz-se surdo para tais ensinamentos.
Todo o tempo o drama duma multidão de vidas pretéritas está nos advertindo a não repetirmos os mesmos erros. Todavia, insistimos bestialmente em fazermos ouvidos loucos para essas vozes, preferindo ouvir o canto sedutor dos íncubos do presente que nos apartam da experiência a muito vivida em sociedade.
Íncubos que insistem em nos enfeitiçar com suas promessas dum futuro melhor. Melhor como nunca se viu antes na história e, assim será, segundo eles, repetindo os mesmíssimos erros cometidos em épocas anteriores.
Isso sim, meu caro Watson, deve ser a tal da alienação.
2.  O Silêncio é uma dádiva rara na sociedade cont…

O MAQUIAVALISMO RUBRO

Escrevinhação n. 1088, redigida no dia 28 de janeiro de 2014, dia de Santo Tomás de Aquino.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Dum modo geral, os partidos em nosso país, nas palavras de Oliveira Vianna, são clãs políticos que arregimentam interesses grupais (e familiares) em torno de figuras oligárquicas formando uma agremiação de mesquinharias ou, simplesmente, sistematizando a bandalheira, como diria Euclides da Cunha.
Todavia, esse não é o único modelo partidário atuante em nosso país, nem mesmo o mais perverso. Muitos são os teóricos do assunto, porém, um dos que muito escreveu sobre o tema foi Lênin. Tanto escreveu e agiu que muito influenciou. Mas o que esse homem nos diz a respeito da organização e das funções duma agremiação partidária marxista?
Uma das tarefas fundamentais do partido são a agitação e a propaganda. Tais tarefas, de curto e longo prazo, devem ser fixadas por critérios de flexibilidade e eficácia, pois a revolução (não só a tomada do poder) não nasce pronta e acabada. …

VELHAS PALAVRAS DUM VELHINHO

Escrevinhação n. 1089, redigida em 24 de janeiro de 2014, dia de São Francisco de Sales.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Não é conto de fadas! Mesmo assim, iniciemos o causo nestes termos: era uma vez um rapazinho todo intoxicado com aquela velha patacoada comuna, dissimulada em trocentos tons de cinza relativista. Politicamente-corretíssimo! O orgulho mimoso de seus mentores.
Esse espécime caricato tinha um desafeto inconfesso. Era um velho. Funcionário público aposentado, carola, de vida rotineira, caridoso do seu modo, gostava de jogar dominó e doutras estripulias.
Andava meio arquejado pelas ruas, devido o peso dos anos. Muitas das vezes era visto dedilhando o seu rosário, outras tantas, tomando umas pinguinhas e jogando conversa fiada no bar do Sucuri.
Ele detestava o velhote! Não porque o infeliz tivesse feito algum mal para ele. Não é disso que se trata! É porque o senhor representava tudo o que havia de mais reacionário no mundo, conforme seus doutos ídolos de barro haviam lhe ens…

POR UMA CRÍTICA DA RAZÃO CURTA

Escrevinhação n. 1088, redigida no dia 21 de janeiro de 2014, dia de Santa Inês.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Uma sociedade democrática deve ter em seu bojo grupos políticos tanto de direita como de esquerda. Quesito que o Brasil encontra-se mui distante. Sim, nessas terras cabralinas temos a presença de partidos de centro-esquerda, esquerda, extrema-esquerda e, todos eles, tingidos nos mais variados tons de vermelho de ideologia marxista. Agora, quanto aos partidos de direita, defensores de princípios conservadores ou duma política liberal, inexistem.
O que se convencionou chamar de destra em nosso país é o atraso. Isso mesmo! Tudo o que representa o clientelismo, o fisiologismo, o mandonismo e demais hostes. Por isso, em nosso país, termos como direita, conservador ou liberal são tidos como insulto, haja vista que aqueles que detêm a rubra-hegemonia, com uma estratégia de ação em longo prazo, acabam por estereotipar qualquer visão de mundo contrária à sua.
Ora, sejamos francos: quem …

Lançamento do livro "Visões de Descartes" - Olavo de Carvalho

REGRA DE TRÊS

Escrevinhação n. 1087, redigida no dia 14 de janeiro de 2014, dia do Bem-aventurado Pedro Donders.
Por Dartagnan da Silva Zanela

J. O. de Meira Penna em seu livro “A ideologia do século XX” nos ensina que para compreender a atuação dum grupo político deve-se observar atentamente três dimensões: a ideológica, as discussões internas e as ligações externas.
Antes de qualquer coisa, jamais percamos de vista que o objetivo dum grupo desse gênero é a obtenção do poder. Dito isso, sigamos com o andor. Por dimensão ideológica entendamos o conjunto de valores que justifica a luta pelo poder e que modela a forma de seus membros encararem a realidade.
O segundo quesito são os debates realizados e as deliberações tomadas pelos membros do partido nos seus mais variados escalões. Atas, boletins internos, revistas, jornais do partido são documentos basilares para entendermos, razoavelmente, qual é a agenda do mesmo. Detalhe importante: sempre que se fala com os seus, as palavras são sempre mais veraze…

MEMÓRIAS DO FAXINAL DO CÉU

Escrevinhação n. 1086, redigida entre os dias 08 de janeiro de 2014, dia de São Pedro Tomas e São Severino, e 14 de janeiro de 2014, dia do Bem-aventurado Pedro Donders.
Por Dartagnan da Silva Zanela
1.  Certas vezes vejo-me imerso em minhas lembranças. Lembranças de minha infância a muito vividas. Não esquecidas.
Lembro-me dos dias em que vivi na rua rio Borboleta, na vila operária de Faxinal do Céu, que hoje não passa dum abandonado Faxinal distante do céu.
Era uma casinha branca e azul entre muitas casas similares rodeadas de mata nativa no meio dum sossegado ermo.
A imagem que me vem agora, destes dias, é viva. Meu pai cuidando de suas ferramentas no porão improvisado. As chaves de “ako” (chaves de fenda) e tudo mais no seu devido lugar entre as colunas irregulares de concreto.
Ainda ouço o som da voz de minha mãe chamando-nos numa rotineira tarde de sábado para comermos. Não me esqueço do cheirinho do café, pão fresco, da visão da velha bacia de massa de pão frita ao lado dos pastéi…

A SATISFAÇÃO AMARELADA

Escrevinhação n. 1085, redigida no dia 06 de janeiro de 2014, dia de Reis.
Por Dartagnan da Silva Zanela

J. R. R. Tolkien, em uma de suas epístolas, ensina-nos que devemos compreender o bem nas coisas para detectar o verdadeiro mal. Quem apenas conhece a face e o amargor do mal, de fato, não o conhece. Apenas o vive como sua segunda pele sem compreender com a devida clareza a real natureza de seus gestos e atos.
É a isso que F. Schuon se referiu quando afirmou que o mal é fruto da ignorância. O mal, em suas mais variadas formas e gradações advém do desconhecimento da natureza do bem. É no contraste de um com o outro que a verdade nos é revelada.
E evitamos o contraste porque a confrontação com a realidade nos deixa, inevitavelmente, desconfortável, arrancando-nos de nossas cômodas convicções que, por ignorância, acreditamos ser o bem, simplesmente porque sentimo-nos satisfeitos conosco mesmo.
Obviamente que tal falta de saber não nos exime da responsabilidade moral frente nossas obras di…

ANOTAÇÕES TELEVISIVAS

Escrevinhação n. 1084, redigida entre os dias 03 de janeiro de 2014, dia de Santa Genoveva, e 08 de janeiro de 2014, dia de São Pedro Tomas e São Severino.
Por Dartagnan da Silva Zanela

1.  Pergunta número um que deve ser feita a uma pessoa que deseja assenhorear-se do poder é similar a primeira pergunta que um pai faz a um rapaz que pretende desposar sua filha: quais são suas intenções?
Sim, que este deseja estar com ela o velho está careca, ou grisalho, de saber. Afinal, ele é pai não estúpido. A questão é saber quais são as intenções que estão para além das boas intenções do momento.
De mais a mais, como os canalhas abundam nesses brasílicos pagos, inevitavelmente o genitor, seja da moça ou do poder, fica com o coração na mão, aguardando, quando que o biltre irá trair suas palavras de ocasião mostrando sua face e revelando através de seus atos as suas sórdidas e reais intenções.
Uns querem apenas deleitar-se feito um sultão sem o sê-lo. Outros se contentam apenas com uma festinha aqu…

A BAIXEZA NOSSA DE CADA DIA

Escrevinhação n. 1083, redigida entre os dias 01 de janeiro de 2014, Solenidade de Santa Maria, Mãe do Príncipe da Paz, e 03 de janeiro de 2014, dia de Santa Genoveva.
Por Dartagnan da Silva Zanela

1.  Nunca exigir dos outros mais do que eles são capazes de nos dar. Assim nos ensina Carlos Drummond de Andrade. Mas nós, infelizmente, nutrimos, na maioria das vezes, uma expectativa desproporcional frente ao que nossos pares podem nos ofertar.
Aí ficamos macambúzios, zuretas, decepcionados. E por quê? Porque aguardamos do outro aquilo que temos, praticamente, certeza que não pode nos oferecer.
De mais a mais, na maioria das vezes, oferecemos aos outros uma porção ínfima daquilo que seríamos capazes de oferecer e cremos que esse mínimo seria uma demonstração de magnanimidade de nossa parte. E o pior é que nem nos tocamos deste papelão.
No frigir dos ovos, nossa espera é desmedida devido a nossa mesquinhez. Mesquinhez que não desejamos reconhecer.
2. A canalhice, no Brasil, não é artigo de lux…

A solução é tungar o cidadão

Por Percival Puggina
Esta manhã do dia 1º de janeiro de 2014 nos traz a notícia de que o Brasil fechou o ano com o impostômetro da Associação Comercial de São Paulo marcando R$ 1,7 trilhões pagos pelos brasileiros, em impostos, ao longo de 2013. Neste momento, transcorridas poucas horas do novo calendário, ele já está contabilizando uma arrecadação de R$ 3,6 bilhões. Só isso já seria uma péssima notícia. No entanto, sabemos todos: por mais que se pague imposto, sempre falta dinheiro às prefeituras, aos estados e à União. E a solução é tungar o cidadão.
Nos últimos dias, repetiu-se a fórmula desonesta, tramposa, velhaca pela qual a receita do imposto sobre a renda e o salário de quem trabalha pode ser permanentemente aumentada sem necessidade de mexer nas alíquotas. O governo federal anunciou a correção da tabela de incidência do IR em percentual inferior ao da inflação confessada pelos medidores oficiais. Na mesma batida, a autoridade fiscal federal anunciou um aumento de seis pontos…

Lobão & Olavo, Olavo & Lobão, primeiro de 2014. Em 02/01/2014.

PROGRAMA AVE MARIA, 02 de janeiro de 2014.

ANO NOVO, VIDA VELHA

Escrevinhação n. 1082, redigida no dia 01 de janeiro de 2014, Solenidade de Santa Maria, Mãe do Príncipe da Paz.
Por Dartagnan da Silva Zanela

O ano é novo, mas a vida é a mesma. Todos nós nutrimos nesta época uma enxurrada de expectativas e firmamos, cada um a seu modo, um bom tanto de intenções, porém, a vida continua sendo a mesma. Continuamos sendo os mesmos sujeitos de sempre.
De tão especial que é o momento da virada que a vivemos dum modo banal. Sim, banal. Dizer todo início de ano que iremos fazer deste um ano diferente sem realmente nos empenharmos em fazer a diferença em nossa vida é duma banalidade sem tamanho.
Momentos especiais fazem parte da experiência humana. Por isso, vale lembrar aqui, nestas linhas, as palavras de São Josémaria Escrivá que nos diz que: “a conversão é coisa de um instante. A santificação é obra de toda a vida”. Trocando por miúdos: voto de intenções sem a aceitação do enfrentamento das batalhas diárias que implicam essa tomada de decisão não passa de …