LIVRA-NOS...

No horizonte que diante de mim reluz,
Vejo o caminho a ser trilhado em vértice,
Que por uma via pedregosa me conduz,
A ajoelhar-me e pôr-me a recitar uma prece.

As palavras cantadas na reza são poucas,
Poucas são as súplicas apressadamente ditas,
Onde as palavras apontam para Àquele que é Vida,
A Vida odiada e temida pela raça maldita.

Na luz do rosário firmo largos e tímidos passos,
E, com eles, coloco-me em marcha novamente,
Rumo aos ocultos jardins de distante prado.

E que na jornada a prece purifique minha mente,
Livrando-a da maldição empedernida do acaso,
Que tanto quer nos apartar de Deus para sempre.

Dartagnan da Silva Zanela
13 de agosto de 2013.

Comentários