Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2013

MEROS RESPINGOS DE TINTA – parte II

Escrevinhação n. 1040, redigida entre os dias 26 de agosto de 2013, dia de São Zeferino, e 31 de agosto de 2013, dia de São Raymundo Nonato.
Por Dartagnan da Silva Zanela

1. Há muitas perguntas canalhas que com freqüência são feitas às gerações mais tenras. De todas elas, penso que a campeã é essa: “o que você faria para melhorar o mundo?” Rapidamente, junto com essa pergunta, vem toda aquela enxurrada de idéias estereotipadas dum mundo melhor possível com os mais variados tons rubros. Em pouco tempo lá estão os mancebos passando pito na tal sociedade, no tal capitalismo, no dito sistema e, obviamente, em seus pais e demais seres quadrados. Com isso, esses moleques são instigados a crer que eles são a Justiça sem que, ao menos, tenham aprendido a ser justo. De minha parte, jogaria essa, e todas as perguntas similares, no lixo da história e perguntaria apenas: “o que você tem feito para ser uma pessoa melhor e, com isso, honrar os seus pais?” Imagino que o resto não seja preciso dizer.

O BOM COMBATE - parte II

O TRIGÉSIMO DIA DE AGOSTO

Escrevinhação n. 1039, redigida no dia 28 de agosto de 2013, dia de Santo Agostinho.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Já sei, já sei, sou um alienado reacionário pelego por não aderir à paralisação. Posso ser tudo isso e muito mais, porém, há algumas razões que levam-me a seguir, dentro da normalidade possível, com minha rotina de trabalho no dia 30 de agosto de 2013, da graça de Nosso Senhor. Razões essas que procuro parcamente apresentar nas linhas que seguem abaixo.
Não vejo grandeza numa seção coletiva de catarse do passado. Sim, faz 25 anos que tivemos o ocorrido, mas até quando ficar-se-á ressentido essas velhas feridas? Confesso: chega a ser vergonhoso esse remoer rancores sob o pretexto de estar-se preocupado com a educação. Se a razão da paralisação é o vigésimo quinto aniversário da cavalhada de Dom Álvaro Dias, penso que, ao invés de parar, podia-se ensinar aos alunos que pessoas maduras procuram tomar uma atitude mais elevada diante dos pesares. Porém, não é o que se está ensi…

PROGRAMA AVE MARIA, 29 de agosto de 2013.

O BOM COMBATE - parte I

AINDA SOBRE O EGITO - parte II

O MÍNIMO QUE VOCÊ PRECISA

Escrevinhação n. 1038, redigida no dia 27 de agosto de 2013, dia de Santa Mônica.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Se há um professor com o qual tenho uma dívida de gratidão imensurável é o filósofo Olavo de Carvalho. Sim, sou devedor de muitas outras almas aquilatadas, muitas delas já se encontram entre os justos dos céus, outras tantas, como o professor, continuam a ofertar-me lições precisas com suas palavras e exemplos que muito tem contribuído para o meu crescimento intelectual e moral.
Tais palavras não são, de modo algum, uma rasgação de seda gratuita. É gratidão. Sempre que posso, esterno a todos que tenham, dum jeito ou de outro, estendido-me a mão em minha vacilante caminhada por esse vale de lágrimas. Aliás, é somente no Brasil contemporâneo que ser grato é um vexame. Reflexo duma sociedade que vem sendo carcomida pelo rancor e pela inveja indisfarçados que se fazem presentes nas incursões verticais da barbarização marxista (e outras estultices do gênero) que toma conta de noss…

AINDA SOBRE O EGITO - parte I

MEROS RESPINGOS DE TINTA

Escrevinhação n. 1037, redigida entre os dias 22 de agosto de 2013, dia de São Filipe Benício e da Virgem Maria Rainha, e 26 de agosto de 2013, dia de São Zeferino.
Por Dartagnan da Silva Zanela
1. A companhia dum analfabeto nato, duma pessoa ágrafa, é muitíssimo mais edificante que a dum analfabeto diplomado, independente do grau de seu rolinho de papel sujo. Este tipo presunçoso, que tanto abunda nestas plagas, conhece as letras, mas não lhes dá o devido valor, desdenha o seu cultivo e, por isso mesmo, não as ama.
2. Palavras! Houve um tempo em que acreditei em palavras humanas. Houve um tempo em que acreditei nas promessas humanas dum mundo melhor possível. Tolo eu era. Esse era o tempo da idade das bestiais utopias rubras. Eram os dias das estultices juvenis, tempo esse em que acreditamo-nos senhores do futuro sem ao menos termos lutado pelo presente a partir da conquista do que nos fora legado pelo passado. Época em que almejamos corrigir o mundo sem ao menos ter tentado nos corri…

O MÍNIMO QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA NÃO SER UM IDIOTA

Elementos da filosofia de Olavo de Carvalho

Por Ronald Robson
Notas para uma leitura de “O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota” (Record, 2013)
I. A obra de Olavo de Carvalho possui uma intuição fundamental: a de que só a consciência individual é capaz de conhecimento (1). O que a afirmação possa ter de banal, em aparência, se esvai se notarmos que aí se fala de “consciência individual”, não se tratando tão somente de “sujeito”, o vocábulo descarnado de uso corrente na metafísica dos últimos séculos. Uma coisa é sujeito enquanto meramente contraposto a objeto em teoria do conhecimento; outra coisa é a modalidade de existência histórica de um ser dotado de consciência, que por definição só pode ser individual. E nisso importa prestar atenção à sutileza vocabular porque aí se afirma uma substância e se afirma uma sua propriedade: “consciência individual”, a primeira, e “capacidade de conhecimento”, a segunda. De um ponto de vista biográfico, a substância atualiza essa sua propriedade em um trauma de emergência da…

Foro de São Paulo, 23 anos depois

Por Silvio Grimaldo (*)
Em entrevista exibida pela Globo News em 2009, Luiz Felipe Lampreia, ex-ministro das Relações Exteriores, diagnosticava: “O que explica a confusão da América Latina é o Foro de São Paulo”. E ele tinha razão!
O Foro de São Paulo é uma organização que reúne de maneira promíscua partidos políticos legais, organizações terroristas e grupos narcotraficantes. Ele foi fundado em 1990 por Lula e Fidel Castro, que prometiam reconquistar na América Latina o que se havia perdido no Leste Europeu. Seu objetivo era traçar estratégias comuns e lançar “novos esforços de intercâmbio e de unidade de ação como alicerces de uma América Latina livre, justa e soberana”. A unidade estratégica dessas organizações visava tomar o poder em todo o continente, criando uma frente de governos socialistas em oposição aos Estados Unidos. Hoje, duas décadas depois, o Foro de São Paulo governa 16 países, nos quais aplica a mesma agenda de aparelhamento do Estado, de limitação das liberdades ci…

A VERGONHA DA HUMANIDADE

Professor que nunca havia reprovado um só aluno

Um professor de economia em uma universidade americana disse que nunca havia reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou uma classe inteira.
Esta classe em particular havia insistido que o socialismo realmente funcionava: com um governo assistencialista intermediando a riqueza ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo.
O professor então disse, “Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas.” Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam ‘justas’. Todos receberão as mesmas notas, o que significa que em teoria ninguém será reprovado, assim como também ninguém receberá um “A”.
Após calculada a média da primeira prova todos receberam “B”. Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.
Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos – eles esperavam tirar notas…

PROGRAMA AVE MARIA, 22 de agosto de 2013.

APENAS UM PAPO BLÓGICO

Escrevinhação n. 1036, redigida entre os dias 18 de agosto de 2013, dia de Santa Helena, e 22 de agosto de 2013, dia de São Filipe Benício e da Virgem Maria Rainha.
Por Dartagnan da Silva Zanela

1. Nossas lembranças não passam de sombras. Sombras da grandeza, ou da singeleza, ou simplesmente da presença daqueles que um dia estiveram entre nós e que, em muitos casos, estavam bem próximos de nossas sombras. Para que essas sombras de antanho continuem vivas, contrastando com as nossas, ajudando-nos em nossa caminhada, é de fundamental importância que a Luz encontre morada e habite em nosso coração. Infeliz daquele que não respeita a memória dos que já partiram. Infeliz daqueles que fazem pouco caso da presença das sombras que, em contraste com a Luz, revelam tudo o que há em nossa alma através da grandeza ou da torpeza de nossos atos.
2. Nicolás Gómez Dávila afirma que “a solidão nos ensina a ser intelectualmente mais honestos, porém, nos induz a ser intelectualmente menos corteses”. De f…

SOBRE O HINO SUÍÇO E OUTROS BICHOS - parte II

SOBRE O HINO SUÍÇO E OUTROS BICHOS - parte I

NA ESCOLA DE HERÓDOTO

Escrevinhação n. 1035, redigida no dia 20 de agosto de 2013, dia de São Bernardo de Claraval.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Ensina-nos Varnhagen, o Heródoto brasileiro, que a verdade é a alma da história e, a procura por ela deve, necessariamente, mover o olhar daquele que quer embeber-se nas suas caudalosas e misteriosas águas. Sim, sei que há todo aquele colóquio flácido de que o conhecimento da verdade, e de modo especial a histórica, é problemático. Porém, mesmo que nós não possamos contemplar a integralidade da verdade no objeto de nosso estudo, não podemos ignorar a sua existência, visto que, há uma diferença ontológica entre ela e nossa [in]capacidade de abarcá-la. Por isso, não confundamos uma com a outra.
De mais a mais, se nós não estamos procurando-a, o que desejamos? Pompas verbais para posar de sabidinho pedante ou usá-la como uma arma político-ideológica? Essas, meu caro, são as únicas possibilidades para aqueles que ignoram a verdade, relativizando sua existência, tomand…

SOBRE O EGITO - parte II

SOBRE O EGITO - parte I

BATE-PAPO LOBÃO E OLAVO DE CARVALHO

TINTEIRO ÁCIDO

Escrevinhação n. 1034, redigida entre os dias 12 de agosto de 2013, dia de Santa Joana Francisca de Chantal, do Beato Amadeu da Silva e de Santa Beatriz, e 15 de agosto de 2013, dia da Assunção de Nossa Senhora e de Santa Maria do Bouro.
Por Dartagnan da Silva Zanela

1. Domingo: dia dos pais e, principalmente, dia do Senhor. Lá estava eu a preparar o café da manhã em meu rancho. Feito isso, me dirigi para meu escritório e eis que vi meu filho mais velho diante do altar, prostrado introspectivo, a rezar. Após isso, abraçou-me. Passou um pouco, minha pequenina desperta e, de seu berço, gritou animada: “bença papai!!” Abençoei-a em meio a gostosas gargalhadas e ela respondeu-me com seu jeito moleca: “Amém!”. Eis aí o mais belo presente que um pai pode receber: ver e ouvir a beleza e a piedade manifesta no corações de seus infantes. Por isso choro e agradeço a Deus.
2. Reclama-se que o tempo disponível para o desfrute da vida é escasso. Sim, mas deseja-se mais tempo para desfrutar o que? M…

EVO MORALES E O PAPA

PROGRAMA AVE MARIA, 15 de agosto de 2013.

SOBRE O ABORTO - parte IV

LOBÃO: FORO DE SÃO PAULO, MANIFESTAÇÕES DE RUA...

LOBATO E O ARCANJO MIGUEL

Escrevinhação n. 1033, redigida no dia 13 de agosto de 2013, dia de Santo Hipólito e de São Ponciano.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Há uma belíssima crônica da lavra de Érico Veríssimo a respeito de ninguém menos que Monteiro Lobato. Nesta, vemos um gênio das letras rendendo uma homenagem póstuma a um dos grandes mestres da esgrima intelectual.
O texto é uma delícia! Inicialmente descreve a chegada de Lobato ao Céu e este, quando diante de São Paulo, o promotor celestial de seu julgamento, cansado da viagem, acende um cigarro com as labaredas duma estrela e eis que inicia-se o julgamento. Acusam-no de muitas coisas, mas, principalmente, de nunca ter tido paciência com a toleima humana, de ter satirizado o povo brasileiro e ele, de sua parte, confirma a veracidade de tais considerações e justificava dizendo que isso tudo era necessário para despertar os brasileiros e acrescentava dizendo que se arrependia por não ter começado tal empreitada mais cedo, pois morrera sem obter o êxito alme…

SOBRE O ABORTO - parte III

AGENDA (o comunismo nú) - Legendado

SOBRE O ABORTO - parte II

LIVRA-NOS...

No horizonte que diante de mim reluz,
Vejo o caminho a ser trilhado em vértice,
Que por uma via pedregosa me conduz,
A ajoelhar-me e pôr-me a recitar uma prece.

As palavras cantadas na reza são poucas,
Poucas são as súplicas apressadamente ditas,
Onde as palavras apontam para Àquele que é Vida,
A Vida odiada e temida pela raça maldita.

Na luz do rosário firmo largos e tímidos passos,
E, com eles, coloco-me em marcha novamente,
Rumo aos ocultos jardins de distante prado.

E que na jornada a prece purifique minha mente,
Livrando-a da maldição empedernida do acaso,
Que tanto quer nos apartar de Deus para sempre.

Dartagnan da Silva Zanela 13 de agosto de 2013.

SOBRE O ABORTO - parte I

PONTOS E BORDADOS – parte IV

Escrevinhação n. 1032, redigida entre os dias 08 de agosto de 2013, dia de São Domingos de Gusmão, e 11 de agosto de 2013, dia de Santa Clara de Assis.
Por Dartagnan da Silva Zanela

1. Há uma velha canção do Gaúcho da Fronteira onde canta-se o refrão “ai que saudade do Sarney”. Não tenho saudades nenhuma dele. Aliás, ele não nos deixa ter saudades, visto que, lá está o homem, impávido, inamovível dentro das engrenagens Estatais! Como ele, muitos outros, que não adentraram nas sombras de nossa memória por fazerem-se ainda presentes. Gostaria, e muito, de poder cantar pelas ruas e logradouros as mais variadas melodias saudosistas deste e de toda tigrada que encontra-se encastelada no Estadossauro brasílico, mas não posso. Eles temem o silêncio e a solidão. Por isso ficam, mesmo que esse ato leve ladeira à baixo toda a nação. Ah! Como eu queria poder sentir saudades, mas, como eu já disse e repito: não tem como.
2. Meu coração amargo está. Vê-se assim devido as notícias sobre a América La…

El hombre sin cualidades

Por Mario Vargas Llosa
Estuve una semana en París y el fantasma de Hannah Arendt me salió al encuentro por todas partes. En tres cines del Barrio Latino exhibían la película que Margarethe von Trotta le ha dedicado y me gustó mucho verla. No es una gran película pero sí un buen testimonio sobre la recia personalidad de la autora de Los orígenes del totalitarismo, su lucidez y su insobornable independencia intelectual y política.
El film está casi totalmente centrado en el reportaje que Hannah Arendt escribió, a pedido suyo, para The New Yorker sobre el juicio al criminal nazi Adolf Eichmann que se celebró en Jerusalén en 1961, y el escándalo y la controversia que provocó, sobre todo al aparecer ese texto ampliado en un libro en 1963, donde la pensadora alemana desarrolla su teoría sobre “la banalidad del mal”. La actriz Barbara Sukowa hace una sutil interpretación de Arendt; la mayor flaqueza de la película es la fugaz y caricatural descripción que presenta del vínculo que unió a Han…

PROGRAMA AVE MARIA, 08 de agosto de 2013

ORAÇÃO DE SÃO MIGUEL ARCANJO (português e latim)

Imagem
São Miguel Arcanjo, defendei-nos neste combate, sede nossa guarda contra a maldade e ciladas do demônio. Instante e humildemente pedimos que Deus sobre ele impere; e vós, príncipe da milícia celeste, com o poder divino, precipitai no inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos que vagueiam pelo mundo para perdição das almas. Amém.
Coração Sacratíssimo de Jesus. Tende misericórdia de nós. (3x)
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Sancte Michael Archangele, defende nos in prælio; contra nequitiam et insidias diaboli esto præsidium.Imperet illi Deus, supplices deprecamur: tuque, Princeps militiæ cælestis, Satanam aliosque spiritus malignos, qui ad perditionem animarum pervagantur in mundo, divina virtute in infernum detrude. Amen.
Cor Jesu sacratíssimum. Miserére nobis. (3x) 

A BOA LUTA

O Projeto de Lei 03/13, o aborto e a bancarrota do judiciário

Por Giuseppe Mallmann (*)
Ao analisar o Projeto de Lei 03/2013, em consonância com as várias acepções da palavra direito, existentes no nosso sistema jurídico, uma coisa fica clara, que este projeto, agora já sancionado como Lei12.845/13, não se enquadra no sentido paradigmático da palavra direito, ao qual todos os outros termos análogos devem se reportar, isto é, ao sentido de justiça. A verdade sobre esta lei é que, os seus legisladores e defensores, infelizmente, não têm como escopo justiça nenhuma, mas apenas transformar a cultura vigente, levando a cabo mais um empecilho da destruição das famílias, no caso, a proteção do nascituro, como também, têm entre os seus objetivos maiores, aniquilar o Estado de Direito. Não adianta aos legisladores, advogados e aos funcionários do mais alto escalão do judiciário, saberem de cor a Constituição Federal, o Código de Direito Civil, Penal ou as mais recentes normas tributárias, se não possuírem a menor noção do que realmente seja justiça. Tud…

DESLIGUE A SUA TELEVISÃO

PONTOS E BORDADOS – parte III

Escrevinhação n. 1031, redigida no dia 07 de agosto de 2013, dia de São Caetano de Thiene, de Santa Afra e do Papa Santo Xisto II.
Por Dartagnan da Silva Zanela

1. O gigante despertou! Eis o grito que muitos entoam aos quatro ventos das redes sociais. Dum momento para outro vê-se um amontoado de sujeitos até então isolados, gritando, uniformemente, palavras de ordem que lhes foram ditadas. Lá estão ostentando faixas, tremulando bandeiras, pintando a cara e, como num gesto mágico, eis que o Brasil desperta. Mas despertou de que cara pintada? Seja franco: o que você pretendia, ou pretende, com esse carnavalzinho de rua? Quem é o rei Momo desse desfile? Qual é a sua escola de samba e, principalmente, quem compôs o samba enredo que está agitando os seus pesinhos nesta triste avenida brasílica? Caraca! E você ainda quer me convencer que é um sujeito consciente? Quer me convencer de que o desperto gigante não é um zumbizão? É incrível o quão facilmente nos entregamos às volúpias irascíveis …

SER CRISTÃO

O SINISTRO DIREITO HUMANO

Escrevinhação n. 1030, redigida no dia 06 de agosto de 2013, dia de Santa Maria Francisca Rubatto e da Transfiguração de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Há quem diga que a prática do aborto é uma forma de minimizar injustiças, evitando que uma criança venha a ter uma existência penosa ou retirando um obstáculo que atrapalharia a vida duma pessoa e, deste modo, evitar-se-ia sofrimentos desnecessários. Sei que muitos já ouviram argumentos similares a esse, porém, o que essas palavras dizem é duma demência praticamente imensurável.
Ora, sejamos pacientes e procedamos por partes. Primeiro: não se corrige uma injustiça cometendo uma monstruosidade contra um inocente que não tem direito a voz, a defesa e nem mesmo deseja-se assegurar-lhe o direito à existência. Outra coisa: quando fala-se em sofrimento, dá-se a impressão de que o normal na existência humana seria uma vida em mar de rosas, sem problemas, angústias e dissabores. Alguém assim, ou que deseje viver assim,…

SOBRE A PRÁTICA DA ORAÇÃO

PONTOS E BORDADOS – parte II

Escrevinhação n. 1029, redigida entre os dias 02 de agosto, dia de Santo Eusébio de Vercelli, e 05 de agosto de 2013, dia de Santo Osvaldo de Nortúmbria.
Por Dartagnan da Silva Zanela
1. Primeiro de agosto ficará inscrito nos umbrais da eternidade e nos envergonhará até o fim dos tempos. Neste, de modo prático e cínico, o aborto foi liberado neste acampamento de refugiados. Para ser franco, era bem isso o que eu esperava da senhora presidente e de seus correligionários. A atitude cretinamente omissa do Congresso Nacional também não me causou escândalo, muito menos a sinistra salva de palmas das plúmbeas almas que dão forma a grande mídia e ao establishment acadêmico. A desfaçatez dos príncipes da CNBB do B, ao fingirem não ver o que estava e está acontecendo debaixo de seus báculos também não me surpreende. E, por isso, a única coisa que posso fazer, no momento, é lamentar. Lamentar a covardia e a brutalidade duma nação que, no dia de Santo Afonso de Ligório, festeja a facilitação leg…

SOBRE O ABORTO E A LEI

Mulher desmascara feministas e o marxismo cultural no Brasil

APROFUNDAR A FÉ

Programa Ave Maria, 01 de agosto de 2013.

PONTOS E BORDADOS

Escrevinhação n. 1028, redigida entre os dias 28 de julho, dia de São Nazário, São Celso e de Santo Inocêncio I, e 31 de julho de 2013, dia de Santo Inácio de Loyola.
Por Dartagnan da Silva Zanela
1. Rezar. Eis um gesto simples. Tão simples que muitas almas desdenham sua prática. As razões para tanto podem ser das mais variadas ordens, mas penso que há uma razão muito presente, duma ordem por demais intensa. Tememos o silêncio. Desesperamos frente à possibilidade de termos nosso íntimo imerso na quietude, pois nesta, a voz da consciência ecoa no ritmo do olhar onisciente da Verdade que recusamo-nos a ver e fingimos acreditar. E esta razão impera porque nosso coração vê-se ordenado pelo orgulho que quer dispor tudo de acordo com nossos desejos e quereres, imaginando que toda a criação existe para satisfação de nossa vanglória. Por essas e outras que, muitas vezes, rezar torna-se tão difícil, mesmo sendo um ato tão simples.
2. Os canalhas progressistas, com aquelas carinhas nojentas de b…

SOBRE NOSSOS GESTOS