Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2012

O LODO FÉTIDO DO FUNDO DA ALMA ÉTICA

Escrevinhação n. 956, redigida em 17 de julho de 2012, Santa Maria Madalena Postel, de Santa Generosa, de Bartolomeu de Las Casas e de Santo Aleixo.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Alfred de Musset, em sua obra “A confissão de um filho do século”, afirma que há um perigo terrível em saber o que é possível, porque o espírito vai sempre mais longe. É difícil medir o horizonte do possível da mesma forma que não é fácil fazer escolhas acertadas em nossa vida.
As incertezas nos visitam e nos acompanham dia após dia em nossa caminhada por esse vale de lágrimas. Interiormente, cada qual se vê acompanhado de suas cruzes. Alguns as desdenham, outros as abraçam e logo as largam. Outros as abraçam e as jogam várias vezes ao dia, todos os dias. Mesmo que elas sejam leves, nós, por nossa deixa, conseguimos ser levianos e francos.
Porém, isso não é motivo para esmorecer. É apenas um dado da realidade e, em nós, a perseverança deve ser maior que nossa vileza. Ninguém se converte definitivamente, como no…

A LÍNGUA BIPARTIDA DA EDUCAÇÃO

Escrevinhação n. 956, redigida em 17 de julho de 2012, Santa Maria Madalena Postel, de Santa Generosa, de Bartolomeu de Las Casas e de Santo Aleixo.
Por Dartagnan da Silva Zanela

O café esfria enquanto escrevo. Já o problema que minha pena desenha, não. Problema este presente em meio às fraturas do contraditório tecido do real que, muitas das vezes, não percebemos. E, quando o intuímos, rapidamente, o desenhamos devido à dispersão alienante de nosso cotidiano.
Aos quatro ventos os hálitos midiáticos e estatais proclamam em alto e bom tom a importância basilar da educação e afirmam que o professor é um sujeito de magna importância e que este deveria ser sumamente respeitado. Junto com esse discurso, temos também o da valorização da profissão professoral. Todos já vimos propagandas sobre isso. Todos nós conhecemos razoavelmente bem esse filme.
Ao mesmo tempo em que ouvimos isso, testemunhamos o esvaziamento da autoridade do professor. Sim, todos declaram cínica e abertamente que a autorid…

UMA AMPOLA DE VERGONHA NA CARA

Escrevinhação n. 955, redigida em 09 de julho de 2012, Santa Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus, de Santa Verônica Giuliani e de Agostinho Zhao Rong e de seus 119 Companheiros.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Uma treta excelente para mensurar a estupidez de uma pessoa é observar a capacidade dela de portar-se com recato em um ambiente público. Em regra, quanto mais pífia e nula é a pessoa, menor sua capacidade para tanto. Quanto mais insignificante é a pessoa mais ela deseja chamar a atenção de todos das maneiras mais impróprias nos locais mais inoportunos.
Estas são almas carentes de tudo. Carentes de afeto, de atenção e, fundamentalmente, de educação elementar e um bom senso do ridículo. Sim, esses dois pontos levantados são basilares para o desenvolvimento do caráter de um indivíduo, porém, em uma sociedade onde a egolatria é gritante e o umbigocentrismo elevado a critério basilar da edificação do que se convencionou chamar de cidadania nada de digno e bom pode se esperar.
Cr…

É A VOLÚPIA DO ARREPENDIMENTO

Escrevinhação n. 954, redigido em 27 de junho de 2012, São Cirilo de Alexandria.
Por Dartagnan da Silva Zanela

Não esqueça essas palavras, originalmente presentes em Memórias póstumas de Brás Cubas. É tudo volúpia do arrependimento. Decore-as! Guarde-as bem, porque elas nomeiam claramente aquele aperto taciturno que tortura nosso peito. Porém, de que nos arrependemos?
Se há algo que realmente nos torna melhor neste vale de lágrimas é o sentimento de culpa que nos leva a um sincero reconhecimento de nossas faltas. Ele nos permite ter acesso a uma medida real de nossa pequenez. Sem sentimento de culpa não somos capazes de reconhecer a verdade e a falsidade presentes em nossos atos e, consequentemente, cegamo-nos para a Verdade que a tudo ilumina.
Fiando nosso passo por essa vereda, tudo se torna relativo, tornando nosso ego inchado e degradado o referencial absoluto do entendimento. O fruto mais patente desse relativismo moral é o tosco umbigocentrismo reinante que inverte todos os valore…