Bem vindo ao blog de Dartagnan da Silva Zanela, Cristão católico por confissão, caipira por convicção, professor por ofício, poeta por teimosia, radialista por insistência, palestrante por zoeira, bebedor de café irredutível e escrevinhador por não ter mais o que fazer.

Pesquisar este blog

A LUZ DOS DIAS

Escrevinhação n. 816, discurso redigido em 17 de março de 2010, dia de São Patrício e Santa Gertrudes de Nivelles e proferido no dia 19 de março de 2010, dia de São José, na Formatura do curso de Publicidade e Propaganda da Faculdade Campo Real.

Por Dartagnan da Silva Zanela

- - - - - - - + - - - - - - -

Boa noite a todos. Confesso que gostaria de aqui, neste momento, dizer uma infinidade de palavras. Todavia, provavelmente além de cansar vossos ouvidos não conseguiria dizer tudo o que minha alma anseia em dizer. Por isso, para não permanecer agrilhoado em meu querer, procurarei cingir minha fala pelas vias ditadas pelo conselho que nos é dado pelo discípulo amado de Nosso Senhor (João VIII, 32): "Et cognoscetis veritatem, et veritas liberabit vos". E a verdade, meus queridos, está distante destas linhas mal escritas. A verdade que quero vos falar está esta inscrita nos átrios de meu coração desde o nosso último dia de aula, que jaz à algum tempo.

Olhem a sua volta. Todos, olhem bem. O que vemos? As únicas coisas que podemos apalpar com os nossos carnais olhares são formas imprecisas de pó e sombras. “Vanitas vanitatum omnia vanitas”, diz-nos o Livro do Ecresiastes. Vaidade das Vaidades! Tudo é vaidade. Mas, se as Santas Letras estão certas, e eu não ousaria discordar delas, o que escapa desta dura verdade?

Caríssimos, olhem agora, firmemente, para os meus olhos. Olhem, para os olhos de seus amigos, familiares e mestres que aqui estão aqui simplesmente para vê-los, para prestigiá-los. Tudo a nossa volta é vaidade, mas esses olhares embevecidos de alegria e marejados de contento são sinceras manifestações de amor. Isso mesmo! Amor. E, apenas isso, e nada mais que isso, é digno de habitar o coração humano para nos purificar de nossa vaidade.

Numa formatura, infinitamente mais importante que o diploma, que a cerimônia, que tudo mais, é este olhar que ilumina os seus rostos e irradia na face de todos nós uma gentil labareda de esperança que se faz vívida em todos nós como um doce sorriso que certa feita havíamos dado em nossa infância e que os dias agitados nos fizeram esquecer e que vocês, gentilmente, nos fizeram relembrar neste momento. Nesta solenidade.

Por isso, repito em não me caso e não temo que minha língua tropece neste verbo substancial em nosso Ser. Amem! Digam para os seus o quanto eles são importantes para vocês. Digam o quanto vocês os amam, porque a vida, por próspera e estampada de glória que seja, sem amor, não passará de vaidade. Sem o amor, não passaríamos de míseros sinos incapazes de tocar uma única badalada. Sem o amor que inunda esse Salão Nobre através de vocês, de nada valeria aqui estar. Se aqui estou, se aqui estamos, é pelo amor aquece o nosso peito e que, com o tempo, alentará a saudade em nossa memória.

E por isso digo e repito: muito obrigado. Obrigado por terem participado de minha vida, por permitirem que esse escriba participa-se, mesmo que modestamente, de suas vidas. Paz e bem à todos e que Aquele que É abençoe os seus sonhos e ilumine os seus passos em sua jornada que inicia a partir de hoje.

Pax et bonum
Site: http://dartagnanzanel.k6.com.br
Blog: http://zanela.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Follow by Email